Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Marcos César Gonçalves

Acumulação (i)legal de cargos públicos

Caráter social justifica | 24.08.12 - 16:23

O caráter social justifica, desde os tempos do Império, a necessidade de acumulação de alguns cargos públicos no Brasil. A justificava para permitir esta acumulação repousa no inegável fato de que o Estado brasileiro apresenta uma grande deficiência na prestação de serviço público dignos à população, principalmente nas áreas de saúde e educação.
 
É esta realidade social que sustenta a permissão, dada a determinadas categorias, para acumulação de cargos públicos. Não se trata, pois, de privilégio concedido a algumas carreiras ou profissões. A regra geral, no entanto, é a vedação à cumulação de cargos, regra esta que deve ser observada em todos os entes federativos (União, Estados-membros, Distrito Federal e Municípios), nas entidades da administração indireta (autarquias, fundações, empresas públicas e sociedades de economia mista), bem como nas suas subsidiárias.
 
De antemão, é relevante salientar que esta vedação só se aplica aos vínculos remunerados. Assim, não existe tal proibição se algum for desempenhado em caráter pro bono, uma vez que a Constituição Federal de 1988 proíbe apenas acumulação remunerada.
 
Mesmo nos casos em que a cumulação é admitida, é necessário que sejam atendidos determinados requisitos constitucionais, a saber: compatibilidade de horário e submissão ao limite do teto remuneratório.
 
Neste ponto é relevante acentuar que a Constituição da República exige apenas a sujeição à compatibilidade de horário e não a um limite total de carga horária. Deste modo, se a Administração Pública impedir a acumulação fundada no argumento de que a extensão da carga horária não admite a acumulação, está a praticar flagrante ilegalidade.
 
Os tribunais pátrios, de maneira majoritária, entendem que a CF/88 impôs apenas os obstáculos da compatibilidade de horário e do teto remuneratório para que se possa acumular cargos públicos, não cabendo então à Administração e aos órgãos legislativos infraconstitucionais imporem outras restrições, além destas expressas na Constituição. Aqui, por certo, a interpretação da disposição constitucional deve ser feita de modo restritivo e não ampliativo.
 
Superada a análise dos requisitos indispensáveis para acumulação, passa-se aos casos concretos possíveis. Segundo os incisos XVI e XVII do art. 37 da CF, é possível acumular apenas dois cargos de professor, um de professor com outro técnico ou científico, e dois privativos de profissionais da área de saúde.
 
Numa apreciação simplista parece tranqüilo concluir quais são as situações em que é possível haver a cumulação. Entretanto, os casos concretos apresentam dificuldades.
 
A primeira dúvida abarca, para fins de acumulação, o conceito de professor. Por exemplo: o professor que se encontra ocupando cargo de diretor de escola ou coordenador pedagógico integra a carreira de magistério, para fins de acumulação? Apesar de existirem vozes contrárias, o entendimento predominante é por aceitar toda atividade-fim de ensino como sendo equivalente à de professor.
 
Neste sentido está a percepção do Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça, que entendem estarem abarcadas na função de magistério a preparação de aulas, a correção de provas, o atendimento aos pais e alunos, a direção, a coordenação e o assessoramento pedagógico de unidade escolar, desde que exercidos no estabelecimento de ensino.
 
A segunda questão relevante diz respeito ao conceito de cargo técnico e científico. Vale reforçar, inicialmente, que a acumulação só é permitida com um cargo de professor, sendo vedado dois de técnico ou dois de científico, bem como um de técnico com um de científico. Ademais, salienta-se que não é necessário existir relação entre as atribuições do cargo técnico ou científico com o conteúdo da disciplina ministrada pelo professor.
 
Para efeito de acumulação, a interpretação constitucionalmente mais aceita é a que define o cargo científico como sendo todo aquele cargo de nível superior em uma determinada área do conhecimento (exemplos são os de médico, biólogo, antropólogo, matemático e historiador).
 
Já cargo técnico é o cargo, em regra, de nível médio que aplica na prática os conceitos de uma área específica do conhecimento, tais como química, informática, radiologia, etc. Perceba-se que não interessa a nomenclatura do cargo, mas sim as atribuições desenvolvidas e a qualificação específica requerida para o seu desempenho. Doutra banda, o cargo denominado de técnico, mas que não requer conhecimento específico, exigindo apenas nível médio, não pode ser acumulado com o de professor.  Um exemplo ilustrativo é o do cargo de técnico judiciário.
 
O terceiro ponto a se destacar é que a acumulação ilegal não se transmuda em legal com a aposentação em um dos cargos. Ou seja, se a acumulação é ilegal na ativa, também o será após a aposentação.
 
Por fim, é importante salientar as consequências advindas de uma acumulação ilegal. A doutrina e a jurisprudência têm entendido que, constatada a ilegalidade, o servidor de boa-fé poderá fazer a opção por um dos cargos, solicitando a exoneração do outro. Se assim fizer nenhuma penalidade sofrerá e não terá também de devolver ao erário a remuneração percebida, até porque exerceu as atribuições dos dois cargos.  O Supremo Tribunal Federal tem reconhecido a presunção de boa-fé do servidor até o momento da notificação oficial de acumulação ilegal, ou seja, só há presunção de má-fé após a regular notificação e se o servidor não fizer a opção por um dos cargos.
 
Como se vê, a acumulação de cargos públicos é um assunto de grande relevância e pertinência prática, que não possui a singeleza que uma leitura perfunctória talvez possa fazer supor. Indubitavelmente, faz-se necessário um estudo mais detalhado, segundo cada realidade concreta.
 
Marcos César Gonçalves, advogado atuante na área de concursos públicos e sócio do escritório GMPR - Gonçalves, Macedo, Paiva & Rassi Advogados, e professor de direito administrativo. 

Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:
  • 25.02.2015 11:01 genildo

    Pode assumir dois cargos de condutor socorrista tendo compatibilidade de horários.

  • 25.02.2015 10:54 genildo manoel

    Sou plantonista com cargo de condutor socorrista com plantão de 24/72 efetivo. E passei em outro concurso para plantonista condutor socorrista 24/72 há compatibilidade de horários posso assumir dois cargos de condutor socorrista.

  • 10.02.2015 14:24 Marizete Valença

    Olá, é possivel acumular um cargo de professor e um de supervisor pedagógico? Este cargo é considerado tecnico-cientifico? O cargo de supervisão tem as mesmas regras de aposentadoria para professor? Obrigada

  • 22.04.2014 19:46 Lúcia Helena Moraes de Oliveira

    Sou professora no Município e exerço o cargo de vice-diretora no estado. No Municipio sou efetiva ainda no período probatório e no estado não sou efetiva. Fui notificada no Municipio, pois no município tenho 25 horas no geral e no estado dizem que são 40 horas. É legal ou realmente tenho que optar???

  • 18.12.2013 08:44 SUELI SANTANA FRANCISCO

    Prezados senhores, um professor concursada na prefeitura 20 horas, e concursado no Estado na Educação Especial também 20 horas, ele pode pegar mais 20 horas a noite de aulas extraordinárias utilizando outro diploma diferente do qual utilizou para o concurso no Estado. Aguardo o parecer.

  • 06.12.2012 22:19 Luis fernando jussiani

    tenho dois cargos publico de professor um Municipal e ou estadual, tenho uma duvida ser for convidado para ocupar outra função no cargo municipal não-pedagógica e manter o outro cargo de professor na rede estadual, estarei em acumulo de cargo

  • 30.11.2012 18:39 Giordano Mochel

    Trata-se de obviamente de um privilégio explicitado no nosso ordenamento jurídico. Fere o princípio da isonomia e ainda favorece o desregramento não medido. A justificativa de que as carreiras de magistério e saúde são precárias, além de institucionalizar a ineficiência estatal, ainda falta com a verdade, já que é notório que todas as carreiras estatais estão desaparelhadas. Mas o que mais salta aos olhos é a defesa unânime da lei pelos ques se beneficiam dela, como o autor em questão. Giordano Mochel Auditor Estadual de Controle Externo TCE-MA

  • 11.10.2012 19:11 marly ferreira

    gostaria de saber com certeza se o cargo de professor na rede estadual, pode acumular com o cargo comissionado de diretor escolar municipal. me responda com a a maior urgência, por favor, estou com medo de estar cometendo uma ilegalidade.. grata marly ferreira

Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351