João Camargo Neto  14.08.2011 17h39
Dia dos pais sem pai

Segundo domingo de agosto órfão

Dia dos pais sem pai


Meu pai morreu em 23 de setembro de 2010. Desde então, passei por todas as datas comemorativas. Dois dias depois, minha mãe e ele fariam 28 anos de casamento. Menos de dois meses depois, fiz aniversário de 26 anos. Menos de 30 dias depois do meu, seria o dele de 54 anos. Cinco dias depois, o natal. Mais cinco, o réveillon. Ano novo, datas novas, a começar pela Páscoa. Enfim, faltava, pela primeira vez, apenas o dia dos pais, data celebrada hoje.

Joel, meu pai, foi aquele que me ensinou a ser simples e gostar do sofisticado, a ser ingênuo e galgar a inteligência, a ser honesto e ficar esperto. Meu pai nunca me ensinou a doar meus brinquedos velhos. Foi com ele que aprendi a comprar brinquedos novos para doar. Quando lhe era pedido um quilo de alimento não perecível, lá ia Joel com uma ou mais cestas básicas, mesmo se isso comprometesse o orçamento familiar e desfalcasse a despensa.

Ele era meu segurança. Quando minha mãe, mais brava, apanhava um galho de uma árvore qualquer para aplicar a lei da palmada, era ele que, correndo o risco de ser açoitado também, pegava minha irmã, mais leve, no braço esquerdo, e me segurava com o direito e saía correndo para nos salvar. Por sorte, homem é quase sempre maior e seus passos mais largos. Minutos depois voltávamos os três, Tati e eu nos resguardando atrás de suas pernas, e minha mãe já estava mais calma e, no máximo, nos botava de castigo.

Era ele que me ligava diária e religiosamente na Hora do Angelus para saber onde e como eu estava e dizer que me amava. Na sua tradição católica, Nossa Senhora visita os lares e varre os corações pontualmente às 18 horas, ao toque da Ave-Maria.

Sempre que um avião sobrevoava a fazenda onde sempre morou, em Itapuranga, imediatamente selava um cavalo e saía de vizinho a vizinho para, orgulhoso, mentir que era seu filho, que tinha se mudado para a capital para estudar, voltando para visitar a família. Sua invenção não tinha maldade, era coberta apenas de orgulho, mas fiquei muito irritado de medo quando soube e o proibi de espalhá-la.

Lembro dele, que era quase analfabeto, todo orgulhoso quando, em uma reunião familiar, eu menti que seria como ele, agricultor familiar, quando crescesse. Lembro também, com a mesma clareza, da sua feição de satisfação e alívio quando, na formatura de Jornalismo, comprovou que de fato menti sobre minhas pretensões profissionais. No culto ecumênico, ele chamou a atenção de todo mundo ao recusar a rosa vermelha que dei para homenageá-lo. “Homem não aceita flor. Se aceitar, tem de ser branca”, disse com o nítido único objetivo de que as atenções fossem voltadas para ele e o filho formando.

Dispenso, com gratidão, a piedade de quem propuser me emprestar o pai neste dia. Isso não existe. Pai é pai. Da gente. Também não vou cumprimentar nenhum pai pelo dia, a não ser o meu, com quem mantenho para sempre sintonia espiritual inquebrantável. O abraço, neste domingo, não é material, mas é real. Em oração.

Não faço questão de segurar nenhuma lágrima. Algumas já jorraram de ontem para hoje. Foi com meu pai que aprendi que homem chora sim, até assistindo novela ou retirante voltando para casa em programa de tevê no fim de domingo.

Pê de pai tem formato de pé. Pé simboliza sustentáculo, primeiros passos. Foi este desenho, cheio de cores, que sobrevoou e caiu aos meus pés na semana que ele morreu. Desconheço a origem. Talvez seja de uma escola infantil na esquina da minha casa. Não tive coragem de pegar o papel, pois devia pertencer a alguma criança e ele, apesar de estar em coma profundo na Unidade de Terapia Intensiva do Araújo Jorge, daria um jeito de me fazer devolver. Mas fotografei e guardo eternamente como amuleto. Para mim, é sinal claro de vida, que rima com o significado da palavra pai.

João Camargo Neto é jornalista

Comente


Comentários

  • 05.09.2011 10:30 Por Roberta Alencastro

    Lindo texto João, me identifico total. Amor incondicional e eterno. Lágrimas existirão sempre que pensarmos na ausência, lembrarmos da existência e sentirmos a essência.

  • 27.08.2011 09:41 Por Jerônimo Venâncio

    Você me emociona, João! Sinto as suas lágrimas, a admiração e o orgulho que você tem no texto. Lindo e sincero!! Brilhante! Lá de cima ele, orgulhoso, sentiu sua emoção também!Um abraço.

  • 18.08.2011 14:15 Por Carline Unes

    Joao, parabéns novamente pelo belíssimo texto. Nao consegui segurar as lagrimas, a emocao foi maior! abracos...

  • 17.08.2011 18:12 Por wender de assis

    Se seu pai lhe ensinou que homem chora até assistindo novela, imagina como que a gente fica depois de ler este texto fantastico que voce escreveu...Adoro a maneira sempre tao pessoal e tao rica com que voce escreve. Parabens!

  • 17.08.2011 12:02 Por bia tahan

    Belo texto João. Você escreve lindamente. beijo grande

  • 17.08.2011 10:32 Por Odessa Arruda

    Há 08 anos perdi meu pai que hoje estaria com 104 anos. Nunca é tempo, João, pra se perder um pai!

  • 15.08.2011 15:32 Por Everton de Sousa Silva http://facebook.com/everton.rocker

    Chorei... Pensei no meu enquanto lia, me lembrei dos ensinamentos, das brincadeiras... Dia dos pais sem pai é um saco!

  • 15.08.2011 11:56 Por Chyntia

    Hoje ao ler o seu texto senti a emoção, que tocou seu coração para que você pudesse traduzir em palavras. É lindo se sentimento, amor e gratidão. Que bom você Deus ter te dado a honra de ser filho de um homem como foi e ainda é seu pai!!

  • 15.08.2011 10:05 Por Fabrícia Hamu

    Linda homenagem, João. Seu pai, que certamente recebeu o carinho num lugar bem melhor que o nosso, deve estar orgulhoso.

  • 15.08.2011 08:48 Por Maianí Gontijo

    Neto o seu texto é de uma ternura e singeleza muito significativas. Simplesmente (((amoroso))).

  • 14.08.2011 21:20 Por Tiago Gebrim

    Belíssimo texto, João Neto. Pela profundidade do tratado e pelas emoções que em mim fez serem afloradas, dispenso quaisquer comentários adicionais. Acredito que também é essa uma forma de homenagem (sua) a seu velho.

  • 14.08.2011 19:57 Por Fabricio Cavalcante @fabriciocava

    Emoção compartilhada. Somos pequenos demais.

  • 14.08.2011 19:16 Por Joao Unes

    Parabens pelo texto, xará.


Publicidade

Publicidade