Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Leonardo Rizzo

Carros limpos, ruas imundas

Quem polui a cidade deve ser multado | 19.04.13 - 12:43
 
Goiânia - A sujeira deixada pelos lavadores de carro nas ruas de Goiânia nos lembra diariamente que ainda vivemos, em muitos aspectos, uma realidade de Terceiro Mundo.
 
Qualquer um que caminhar por entre os carros que estão sendo lavados em nossas ruas pode facilmente detectar o desrespeito com a cidadania e o meio ambiente. Lama, lixo e produtos químicos são jogados no asfalto e na rede de saneamento do município. Se os carros saem limpos, os locais onde eles são lavados ficam imundos.
 
Em meio aos insetos, à sujeira e as poças de água suja, o cidadão que tenta caminhar por estes pontos precisa ser malabarista para desviar dos obstáculos. Para os motoristas, tentar estacionar nestes locais sem contratar um lavador representa risco de extorsão.
 
Por tudo isso, apoio a decisão do promotor Maurício Nardini em sair em defesa da cidadania ao conseguir que a Justiça determinasse o lacre dos hidrômetros da Praça Tamandaré. E nem assim a lavagem de carros parou no local, já que o serviço continua funcionando de forma livre, com a substituição da mangueira pelo balde de água.
 
E o problema se repete por dezenas de outros pontos da cidade, muitos deles áreas de preservação ambiental. A Tamandaré, talvez por ser muito movimentada, ganhou maior atenção, mas isso não significa que prática de lavar carros em outros pontos da cidade foi coibida.
 
Em outras cidades do mundo, o mesmo tipo de problema foi combatido com rigor pelas autoridades. Nas cidades de Scottsdale e em Phoenix, no Arizona (EUA), lavar o carro na rua rende multas pesadas para o dono do veículo.
 
Esta prática, replicada em Goiânia, certamente daria bons resultados, pois atinge o bolso dos fregueses dos serviços dos lavadores.
 
Quanto aos lavadores, defendo um amplo acordo para a qualificação e recolocação profissional deste pessoal, com apoio de entidades representativas dos empresários e comerciantes.
 
O interesse individual não pode sobrepor ao coletivo. Isso é básico, mas não custa ser repetido.
 
Leonardo Rizzo é empresário

Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:
Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351