Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Anapaula de Castro Meirelles

É mais que virose

Médicos estrangeiros suprem déficit | 09.07.13 - 17:58
Bom, como opinião inteligente se constrói com o contraditório, vou tentar levantar aqui meu ponto de vista com relação à vinda dos médicos cubanos ao Brasil.
 
Só no ano passado, o Brasil recebeu 400 mil profissionais estrangeiros buscando trabalho nas mais diversas áreas por aqui. Não me lembro de alguém ter ido às ruas protestar contra essa “importação” de profissionais que o próprio mercado de trabalho realizou, para suprir a falta de oferta interna. Só na engenharia, o déficit chega a 40 mil profissionais e na medicina é ainda mais gritante.
 
Reportagem publicada esta semana pela revista IstoÉ aponta que o Brasil tem metade do número de médicos necessários. Sim, metade! Também revela que 58% dos usuários da saúde apontam que o maior problema é justamente a falta de médicos, conforme dados do Ipea. Apesar disso, há uma gritaria corporativista contra a idéia de trazer profissionais de fora para nossa saúde pública, gritaria que é acompanhada por boa parte da população.
 
Os contrários a essa “importação” argumentam que o problema é a infraestrutura e não os profissionais. Isso explicaria o fato de a grande maioria dos médicos não aceitar sair dos grandes centros para trabalhar pelo interior e “periferias” do país, mesmo quando se oferecem bons salários (pesquisa do mesmo Ipea mostra que a medicina é a profissão que melhor paga no Brasil). O fato é que o buraco é mais embaixo.
 
Sim, há problemas estruturais, mas se só temos metade dos médicos necessários, nem que se construíssem um Sírio Libanês e um Albert Einstein por cidade, se resolveria a questão. Ademais, seria só na medicina a falta de estrutura? Ou seria também na educação, no saneamento, nos transportes, na cultura etc etc etc? Mais que isso: será que só no Brasil há defasagem qualitativa entre os grandes centros e as cidades menores, ou isso é um fenômeno criado pela própria lógica capitalista do custo-benefício e da demanda-oferta?
 
Toda essa polêmica gira em torno de dois pontos: o mito que ainda cerca os homens de branco e o corporativismo da profissão. O mito está no fato de muitos médicos acreditarem ser (e agirem como) semideuses, salvadores de vidas, donos da verdade e da sobrevivência da espécie humana. O corporativismo jaz na quase impossibilidade de o erro ou a negligência de um profissional ser comprovado pelos colegas. Alguém já tentou tirar de um médico um laudo atestando o erro de outro para abertura de um processo? Quase impossível.
 
Já passei por péssimos e por ótimos e competentes médicos, por profissionais incríveis e também por seres arrogantes, frios, grosseiros e incompetentes. Toda profissão tem. Respeito o ofício da medicina, mas não a endeuso. Médicos corporativistas e metidos a divindades são tão ruins quanto professores que resmungam por melhores salários, mas sequer preparam uma aula decente; como jornalistas que gritam por liberdade, mas se fazem de capachos de máfias da mídia; como empresários que criticam a corrupção, mas sonegam impostos e exploram seus funcionários.
 
Sou profissional de comunicação e gostaria de ver profissionais estrangeiros oxigenando nossa mídia provinciana. Que mal há nisso? Aliás, na minha profissão e em muitas outras, profissionais vem de outros países e são inclusive melhor remunerados. Penso que migrações de profissionais entre países seguindo a lógica da oferta-demanda são cada vez mais normais em um mundo globalizado e hoje precisamos urgentemente de mais médicos, que não sairão das faculdades em um passe de mágica. Até porque, é verdade, sim, que os cursos de medicina sempre foram um privilégio para poucos neste país, assim como também é verdade que hospitais que só atendem os bem-nascidos são beneficiados com muitos subsídios do Estado, pois se disfarçam de “entidades beneficentes”. Essa gritaria para que não se busque quem ocupe os postos que os próprios médicos brasileiros se negam a ocupar (e que estão ociosos!) é, na minha opinião, egoísta, classista e corporativista. A vida não tem nacionalidade; ela é, antes de qualquer coisa, vida. Preciosa e única.
 
A necessidade de se adequar qualquer profissional estrangeiro aos parâmetros exigidos aqui e às nossas necessidades deve ser regra não só para os médicos, mas para todas as profissões. O que não podemos, a meu ver, é simplesmente ser contra, mesmo diante da necessidade urgente de profissionais que aqui, por ora, não existem. Todo este barulho está me cheirando mais ódio ao PT.
 
A proposta de trazer médicos de fora está sendo tratada como uma simples virose, mas o diagnóstico é muito muito mais complexo. “É Virose! O Próximo, por favor!”
 
Anapaula de Castro Meirelles é publicitária.

Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:
  • 02.08.2013 14:59 Anapaula de Castro

    Mireille precisa ler melhor antes de tecer seus comentários. Leia este trecho: "A necessidade de se adequar qualquer profissional estrangeiro aos parâmetros exigidos aqui e às nossas necessidades deve ser regra não só para os médicos, mas para todas as profissões". Eu também defendo que os médicos daqui façam o VALIDA. Não temos a MÍNIMA segurança com os profissionais que se formam aqui. Eu desejo mais saúde e menos copo cheio para a população.

  • 01.08.2013 18:53 Mireille Campos

    Cara Anapaula, precisa entender melhor o assunto para depois escrever a respeito. Os médicos estrangeiros são bem vindos, desde que demonstrem conhecimento médico através do exame do Revalida. E não adianta dizer que é um exame difícil, a grande maioria dos estudantes de medicina brasileiros que se submeteram ao teste, passaram. Você gostaria de ser operada por um médico que não demostrou que tem o mínimo de conhecimento médico? Então não deseje isto ao paciente do interior.

  • 31.07.2013 18:27 Samuel

    "Somos ricos, somos cultos. Fora os imbecis corruptos". É de rir! Não tinha um grito melhor não? A famosa vergonha alheia. Amigo médico meu se vier defendendo a teoria do "se " vai ouvir e muito.

  • 31.07.2013 18:15 Mateus Solera

    Esses médicos são uma piada. Grito de guerra de hoje foi ridículo em Gyn . Usaram nariz de palhaço, mas antes devem ter batido o ponto ou usaram um dedinho de silicone. E os doentes que se ferrem!

  • 31.07.2013 18:00 Dorothy Arruda Gomes

    Saúde para a população. O povo precisa de saúde da família e não de especialistas. Um texto brilhante, claro, objetivo e humano. Você conseguiu traduzir tudo o que sinto. Médico reclamando da falta de estrutura enquanto nós professores precisamos educar sem nenhuma estrutura e por muito menos.

  • 31.07.2013 11:46 Diego Franco Nunes

    Maravilhoso texto e tenho que dizer vc esta certa em tudo, nada pior que o corporativismo medico deste pais...

  • 30.07.2013 21:22 Frederico Lobo Cruz de Araújo

    SE o motivo fosse FALTA de médico como vc explicaria a BAIXÍSSIMA adesão dos municípios ao programa MAIS MEDICOS? O Governo federal não propagandeia de forma mentirosa que pagará 10 mil de salário? Pois é, pq então MENOS da metade dos municípios de Goiás se dispuseram a receber esses médicos? Falta realmente médico? A reportagem da ISTO É é repleta de falhas, totalmente tendenciosa. Não faltam médicos, falta gestão e investimento em saúde. Acho engraçado quem nem é da área opinando, como fosse profundo conhecer da vida médica no interior. Quando formei decidi ir morar em uma cidade no interior de Goiás, de 5 mil habitantes na época. Não tinha sossego final de semana, mesmo minha carga horária sendo apenas de segunda a sexta das 08 as 16:00. Salário nos 3 primeiros meses era uma maravilha, depois atrasando 10 dias, 15 dias, 1 mês, 2 meses. Vc dependendo da boa vontade do prefeito, sendo obrigado a passar pacientes na frente pq o vereador fulano falou. Vc levando calote de plantões. Vc desesperado pq no hospital sequer tinha dipirona injetável e/ou a ambulância estava estragada. Paciente morrendo por falta de medicação. E o médico com medo pq era o CRM dele em jogo. Engraçado, isso vcs não conhecem, não vivenciaram mas sabem criticar a "máfia branca", esse bando de "MERCENÁRIOS" que trabalham gratuitamente no SUS do 3º ao 6º ano de medicina. É fácil criticar quando não se vivencia a realidade do SUS. É fácil criticar quando não é vc que ouve berros de pacientes pq o exame que vc solicitou há 8 meses ainda não foi autorizado. É fácil falar que " OS PACIENTES AFIRMAM QUE O MAIOR PROBLEMA DO SUS É FALTA DE MEDICOS". É falta de especialistas, concordo, mas eles são espertos, valorizam seus 6 anos de graduação e 5 anos de especialização. Pra que ir pro interior correr risco, viver sob estresse 24h, ter um contrato altamente precário (CLT não existe rs), depender da boa vontade de prefeitos, vereadores... Resumindo, pode até ir clínicos pro interior (principalmente os malandros que burlam o sistema de vestibular do Brasil e vão se aventurar em países com ensino médico duvidosos), mas especialistas no interior, o povo só terá o dia que o Ministério da saúde resolver investir de verdade na saúde. Caso o contrário ficará como está, clínicos gerais fazendo medicina "AUAU" ao especialista, ao especialista, ao especialista... ao especialista e o paciente esperando 1 ou 2 anos pra consultar com "O especialista".

  • 29.07.2013 17:52 George Morais

    Muito bom ler isso e saber que existem pessoas que conseguem olhar além do seu próprio umbigo. Conheço você e sei que veio de uma família que pode oferecer o melhor. Esses mimimédicos estão é apavorados com a competência dos estrangeiros, especialmente com os cubanos que são reconhecidos mundialmente pelo trabalho com resultados e pouquíssimos recursos. Eu quero ver agora os médicos arregaçando as mangas e trabalhando de verdade. Ter 4, 5 empregos públicos e só aparecer para receber? Vamos acabar com essa folga dos coxinhas de jaleco branco e com essa ganância destruidora. Alguma coisa de inteligente essa presidenta tinha que fazer. Só deu fora até agora. Nessa eu fechei com ela.

  • 19.07.2013 23:51 Joana

    Obrigada por este texto. Eu desejo que o Brasil tenha mais saúde só isso. Tomara q os gritam sejam uma minoria que ainda não sabem o que dizem. Eu estou decepcionada com estes médicos que simplesmente se dizem contrários. Pouco é melhor que nada. Tomara que cheguem logo e façam bonito.

  • 17.07.2013 23:50 Gabriela

    Nós professores vamos para a sala de aula, sem suporte algum, para lidar com GENTE e por R$ 1.000,00.E olha que além de professores ainda somos: psicóloga, assistente social, mãe, tia, mediadora, consellheira etc… Não sei qual é o espanto destes médicos egoístas. Esse texto é de longe o melhor que li até agora sobre o assunto. Parabéns.

  • 14.07.2013 12:16 Carlos Ebert

    Alguns pontos sobre o texto e os comentários que acabei de ler por aqui: - A afirrmação de que o governo federal não deve trazer médicos estrangeiros porque deve valorizar o profissional brasileiro não passa de bairrismo idiota e preconceito. Quando um profissional daqui vai trabalhar no estrangeiro, todos desejam ser bem tratados e reclamam quando são vítimas de discriminação. E mais, ninguém está chamando cubanos para atuar nas áreas em que os médicos locais dominam, mas nas áreas em que estes não valorizam. Esse discurso é igual ao de americanos que reclamam dos latinos que trabalham nos Estados Unidos. Aliás, podem ir a qualquer país estrangeiro que vocês vão perceber que tem muita gente de fora trabalhando no país. E, mais, nas áreas de Engenharia e Computação, das quais faço parte, não existe nem um terço desse preconceito: Um profissional deve ser julgado pelo trabalho que faz, não pela sua nacionalidade. Já trabalhei em empresas que contratavam mexicanos, indianos, coreanos, húngaros etc, e nunca houve preconceito nosso para trabalhar com estas pessoas. O que eu acho é que o CFM é extremamente protecionista. - A demonstração de preocupação com o regime comunista do país de origem desses profissionais está na lista dos dizeres mais absurdos que já pude ler. Meu amigo, a guerra fria terminou com a queda do muro de Berlim, que aconteceu em 1989. Isso aconteceu HÁ MAIS DE 20 ANOS. O comunismo MORREU, meu amigo, ele não existe mais. O que sobrou foram apenas algumas ditaduras, cuja forma de governo têm pouquíssima chance de influenciar sistemas de governos atuais baseados na democracia. E se por acaso essa influência acontecer, que seja. Os movimentos Chavistas só tiveram êxito na Venezuela porque o governo capitalista daquele país não estava fazendo o trabalho que deveria. Mais uma vez, é uma tremenda idiotice hesitar em contratar um profissional russo por medo deste ter sido ex-espião da KGB. - Rapaz tenho vários amigos médicos e, nunca, na minha vida vi algum destes reclamar por falta de emprego. Já vi, é claro, reclamarem de baixos salários, mesmo com todos eles ganhando, na época, mais de 3 vezes o meu salário. Uma cena não muito rara é ver um médico recém formado comprando um carro zero de modelos não populares. Eu estou agora feliz por ter passado em um concurso público federal para ganhar a metade do que meus amigos recém-formados ganhavam. Aliás, a maioria dos médicos nem se interessa por concursos públicos, que existem aos montes para estes profissionais, mesmo oferecendo 2000 reais (ou mais!) por plantão, pois sabem que conseguem ganhar muito mais, facilmente. O que a maioria realmente quer é fundar o seu consultório, e cobrar por consultas particulares. Hoje em dia, mesmo quem paga plano de saúde, sofre disciminação dos profissionais desta classe. Muitos só aceitam consultas de horas marcadas para quem paga particular. - Sobre as condições de emprego, ok, não tenho muito o que discutir, o governo precisa investir mesmo nisso. A realidade, no entanto, é que tem gente em condições miseráveis que carece de serviços médicos. Se existem médicos que se sujeitam a trabalhar nessas condições, ou melhor ainda, que saibam trabalhar mesmo com essas mazelas, que sejam bem vindos! Ou melhor ainda, se essas pessoas conseguem obter resultados trabalhando nessas condições POR QUE NÃO APRENDER COM ELES? A maioria dos estudantes brasileiros que foram trabalhar no estrangeiro não consegue voltar para o país. A partir desses comentários, venho tecer minhas críticas a classe médica brasileira: a maioria está preocupado com o seu próprio umbigo, e pouco estão fazendo para melhorar a saúde do nosso país. E vivem reclamando de barriga cheia. A minha opinião é que o Revalida deveria ser aplicado para todos os médicos, sejam brasileiros ou estrangeiros. Dessa forma, a avaliação seria mais justa

  • 14.07.2013 10:23 Márcia Rezende

    rss eu na verdade sou daquelas que grita Fora PT, mas sinceramente eu desejo que dê tudo certo e que a população posso ter qualidade na saúde. Vamos ver o projeto na prática e se realmente for como os médicos estão adiantando daí a Dilma se ferra de uma vez, caso contrário, lamento pela sua reeleição certamente.

  • 13.07.2013 19:51 Luiz Carlos Gonçalves

    O que temos visto é um protecionismo que só prejudica nossa gente.

  • 13.07.2013 16:27 Diego Ferraz

    Parabéns pelo texto. Eu já tinha uma opinião bem parecida com essa que o Sr. expôs, e olha que nem sou da área médica. Para mim solucionar certos problemas requer apenas um pouco bom senso e altruísmo. Se a maioria pensasse assim também a gente resolveria alguns problemas muito mais rapidamente e de forma simplificada. O problema é que o egoísmo é enraizado na nossa sociedade. É aquela coisa: enquanto não me afeta negativamente eu apoio ou sou neutro. Se me afetar negativamente sou contra independentemente de estar com a razão ou não. Bom é o futuro que aguarda uma nação que pensa assim..

  • 13.07.2013 16:22 Leandro Costa

    Excelente texto! Trazer médicos estrangeiros, especialmente para trabalhar em áreas de extrema carência, e nada mais do que democratizarmos ainda mais nossa sociedade. Os médicos que dão a desculpa de falta de estrutura (acho que formados por Universidades Privadas) que me desculpem, mas é inconcebível não aceitar ajuda estrangeira, seja de que país for!

« Anterior 1 2 3 Próxima »
Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351