Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Rafael Fernandes Maciel

Dilma dá esperança à proteção de dados

| 01.10.13 - 16:38
 
Desde as primeiras denúncias de espionagem e devassa na privacidade promovida pela agência americana NSA, o governo federal vem trocando os pés pelas mãos numa tentativa de proteger o sigilo na comunicação oficial do Poder Público e das empresas estratégicas e, num último plano, dos próprios cidadãos.
 
Primeiro propôs um e-mail totalmente nacional, cuja organização seria capitaneada pelos Correios. Depois, a proposta de obrigar todos os players da internet comercial (provedores de aplicações) a estabelecerem em solo nacional o armazenamento dos dados (data center local).
 
Essas medidas, embora possam ter alguma relevância no campo político, representam pouca ou nenhuma eficácia técnica. A internet é global e medidas que visam restringir seu acesso, além de serem inviáveis, desfiguram a liberdade da comunicação na rede e podem trazer mais malefícios do que as pretensas benesses de proteção à privacidade, como a restrição no acesso à informação pelos internautas.

Por essa razão, ouvi atento e esperançoso ao discurso da presidente Dilma Roussef na abertura da Assembleia Geral das Nações Unidas. A presidente propôs levar a discussão de um marco civil a ser celebrado entre as nações, na forma de um acordo multilateral, visando traçar direitos e regras básicas para o uso da internet. 
 
Essa iniciativa sim é válida, pois dada a natureza transnacional da web, sua regulação dentro da jurisdição de um único país nem sempre é totalmente eficaz. São precisos tratados de colaboração mútua entre os países, tanto no fornecimento de dados para investigação de crimes cibernéticos de forma célere, como também para proteger a privacidade de todos envolvidos. 
 
O segundo passo, inevitável e fundamental, será a instituição de órgão interno capaz de fiscalizar e averiguar a efetiva proteção dos dados. Para tanto, bastará à presidente agilizar o anteprojeto da Lei de Proteção de Dados, que visa, dentre vários aspectos, a criação de uma Autoridade de Garantia justamente com essa missão fiscalizatória. O projeto está na Casa Civil e há promessa de ser enviado ao congresso tão logo seja aprovado o Marco Civil da Internet, que já tramita em regime de urgência. 
 
O ano de 2014 promete ser um ano importante na evolução legislativa e aparato fiscalizatório das condutas no meio digital. O Brasil não pode mais caminhar a passos de tartaruga no mundo dos bits. Precisamos ser protagonistas!
 
Rafael Fernandes Maciel é advogado, especialista em Direito Empresarial e em Direito Digital e coordenador do MBA em Direito Digital do IPOG.


Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:
  • 02.10.2013 01:52 Rafael Lousa

    Equilibrada mas Progressista são as palavras que definem a análise feita pelo Competente Jurista Rafael Maciel ao contextualizar a distancia que ainda estamos no Brasil entre aquilo que temos e o que precisamos ter a nivel de regulação sem intromissão ou cerceamento localizado no uso dos meios virtuais... Concordo que somente uma regulação cooperativa,colegiada e aceita globalmente pode ser eficiente e ter a adesão voluntária dos usuários que a legitimariam. Para tanto, deve-se cobrar a transparência e a credibilidade dos protagonistas que o usuário do meio exige ao fazer suas escolhas de boa fé! Parabéns pela lucidez e visão da analise! Nos honra ter em Goiás profissional tão preparado numa área ainda nascente no terreno jurídico! Sucesso na tarefa de contribuir com a construção do arcabouço jurídico de um meio tao relevante e usual nos dias atuais.

Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351