Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

José Eduardo M. Umbelino Filho

Crianças e celulares

A fuga do esforço | 20.01.14 - 17:26
(Foto: News/Adam Ward)
Goiânia - Na conversa de sofá entre comadres, a mãe do moleque diz que ele mal nasceu e já sabe tirar foto, editar texto e postar em mil e uma redes sociais. As amigas se encantam!

Concordam em uníssono: É, as crianças de hoje estão muito mais inteligentes. Uma delas conta da desenvoltura com que o filho mexe no celular – não precisou aprender, parece até que já nasceu sabendo – ela diz, e seu sorriso revela um misto de triunfo e assombro.  

As crianças são, de fato, criaturas incríveis. Assustadoras, para dizer a verdade. A clareza de suas mentes, a sinceridade de seus gestos, a simplicidade com que devoram o mundo ao redor me fazem pensar que nós, pobres adultos, vivemos um processo de involução. Saímos da obra-prima e passamos a ser rascunho; deixamos de ser borboleta e voltamos a lagarta.

Adultos se parecem mesmo com rascunhos e lagartas: nós somos gordos, cansados, aterrorizados, cheios de dores morais, dores filosóficas, dores nas pernas. Não conseguimos controlar nossas contas bancárias e nem nossos intestinos. Cada novo avanço tecnológico deixa muitos de nós sobressaltados. E se não formos capazes de dominar mais essa técnica? E se não nos inserirmos nessa nova realidade, nessa nova onda?  E se ficarmos para trás? 

E é então que parece natural voltar olhos assombrados para as crianças. Elas sim, sabem muito! Já nasceram inseridas, e dominam como ninguém a velocidade, a agilidade, a dinamicidade das tecnologias. Elas mexem em iPhones, iPods, tablets, gadgets, plofts, plufts, como se fossem brinquedos! Brinquedos! Mas sabe, cá com meus botões eu fico imaginando o que as crianças pensariam sobre isso tudo. Afinal,  um ser humano recém-nascido precisa lidar com alguns dos processos mais complexos que  existem. Imagina o que é aprender a falar! Conseguir realizar associações subjetivas entre signos linguísticos e fonemas, entre pensamento e estrutura gramatical.

Agora pensa o trabalho árduo, lento e doloroso de se imergir numa civilização sem nenhum tipo de referência prévia: compreender o que é certo, o que é errado, o que é bom, ruim... Pode nem parecer, mas as crianças estão seriamente empenhadas em trabalhos complicadíssimos.  Então, o que diabos devem pensar quando veem que o que gera assombro em suas mamães e papais é a simples capacidade de mexer um dedinho pra lá e pra cá numa tela, ou de apertar um botãozinho colorido que faz tudo sozinho? 

Não sei não, mas suspeito que a facilidade com as novas tecnologias se deve menos à inteligência dos pequenos e mais à infantilidade dessas tecnologias. Ora, a lei de ouro de gadgets e outras coisitas do tipo é ser cada vez mais simples, mais intuitivo, mais rápido , mais fácil de usar.  Ou seja, demandar cada vez menos inteligência.

Tudo bem, nada mais justo! Afinal, a razão primeira de qualquer avanço tecnológico sempre foi facilitar aspectos da vida. Isso vale para tablets e arados, zíperes e satélites,  pedra lascada , pedra polida e a Original Airfryer Philips Walita da Polishop, que frita batata frita sem óleo. Mas há um longo caminho entre o que a tecnologia faz para a sociedade e o que a sociedade faz de suas tecnologias. 

É assustador como nós confundimos a razão original da tecnologia com a razão original da nossa própria existência.  Estamos gentil e carinhosamente nos afastando, nos protegendo, nos escusando de tudo que é complexo, de tudo que é difícil, que demanda tempo e esforço.

Informação num piscar de olhos, comida pronta em três minutos, satisfazer a sua mulher na cama em sete passos, ficar rico em dez, faculdade em dois anos, e a salvação parcelada em até 12 vezes sem juros. Que as crianças de hoje são mais inteligentes que as do passado, disso eu não tenho nenhuma dúvida. Na verdade, meu receio mesmo é de que nós adultos estejamos nos tornando mais burros. 

*José Eduardo M. Umbelino Filho é jornalista, mestre em Comunicação pela UFG e escritor membro da União Brasileira de Escritores – Seção Goiás. 
 

Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:
  • 07.02.2014 20:50 Ernesto Mendonça

    Muito interessante!! Me parece haver um grande segredo na infância e nesse processo de aprendizado que tem se sido alheio aos olhos de nós adultos..

  • 03.02.2014 09:58 Lisa Valeria Vieira Torres

    José Eduardo, também gostei do texto!

  • 21.01.2014 16:41 Diogo Stival

    Muito bom.

  • 21.01.2014 16:13 Fernanda Rezende

    Nossa geração às vezes busca ser tão aberta a coisas novas que parece se esquecer de questionar seus próprios vícios. Bom poder pensar sobre os costumes antes mesmo de nos sentir bobos por cultivá-los! Parabéns!

  • 21.01.2014 14:25 Thiago Oliveira

    A crítica caiu como uma luva não só para a questão filhos/tecnologia mas também para toda a modernidade da nossa sociedade e cultura!!! Parabéns pelo texto!

  • 21.01.2014 01:11 Victor Hugo

    Parabéns pelo texto meu amigo. Ótima reflexão.

  • 20.01.2014 23:46 Tânia Penha

    Enquanto mãe e avó achei muito inteligente a reflexão.

  • 20.01.2014 23:27 Jan

    Gostei

  • 20.01.2014 19:11 Fran Rodrigues

    Mais que celulares e tecnologias afins, reflexões importantes sobre a infância e a vida adulta.

  • 20.01.2014 18:50 PEDRO FELDON

    Um ponto de vista a ser considerado

Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351