Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Leonardo Rizzo

Equívoco na desafetação de terrenos

Projeto em frente ao Paço desrespeitado | 16.12.11 - 22:19


Há 30 anos venho atuando como ativista urbano, mobilizando a sociedade para questões que atentem aos interesses de Goiânia, a preciosa capital dos goianos. Por isso, foi com muita tristeza que recebi a notícia de que a Prefeitura de Goiânia busca negociar os terrenos que margeiam o Paço Municipal.

As quadras G, que margeiam o Paço Municipal, foram feitas para um fim maior que era a concretização do Paço Municipal. O projeto original prevê que os edifícios que compõem a administração pública municipal sejam cercados por um grande parque, preservando as áreas verdes. A ideia é que o parque e o Paço fossem sempre visíveis para quem passa pela BR-153 (Avenida L).

O projeto original do Parque Lozandes prevê, como o próprio nome diz, um parque naquela área, além da construção de moradias para funcionários públicos. Isso nunca foi resgatado, apesar de possibilitar a valorização destes servidores. Ainda pelo projeto, este adensamento não poderia superar em uma vez e meia o tamanho do terreno.

Quando da implantação do Paço, em 1992, o empresário Lourival Louza foi levado a doar ao município os lotes que margeiam a Avenida L (BR-153, entre o Carrefour e o Estádio Serra Dourada). Estes lotes acabaram passando por negociação, questionadas pelo Ministério Público, na pessoa do promotor Maurício Nardini. É preciso destacar que este promotor sabe o que faz, pois conhece profundamente o projeto original na região, tendo atuado na implantação do Plano Diretor de Goiânia entre 1988 e 1992.

Em 1988 fui contratado pelo empresário Lourival Louza para acompanhar a implantação do Parque Lozandes, que mais tarde, desmembrado, gerou os condomínios Alphaville Flamboyant. Em todos os projetos a verticalização da região sempre foi vetada. O que pode ser feito é usar a região para abrigar sedes de órgãos públicos. Isso mediante venda, sem doações danosas ao município.

A discussão agora da desafetação da área é inoportuna e fora de propósito com os interesses do município. Se o objetivo da Prefeitura é arrecadar, o município dispõe de outros mecanismos para obter renda, como afiscalização de posturas e de poluição audiovisual.  

Além do Ministério Público, é preciso que as associações de moradores da região, como a Associação do Córrego Barreiro – presidida por mim – devem questionar na Justiça os seus direitos. Afinal, todos que compraram lotes naquela região estavam protegidos pela legislação da ápoca. Estes direitos não podem acabar numa canetada.


Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:
Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351