Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Kardec Borges

A ética urbana

| 12.01.16 - 16:42

Goiânia - Sim, a ética urbana é necessária! A afirmação pode parecer puramente ideológica e até ingênua, mas o fato é que pensar as ações do mercado imobiliário puramente pelo viés do resultado financeiro, poderá num curto espaço de tempo prejudica-lo.
 
Por mais que as construtoras, incorporadoras e afins pensem pela lógica quantitativa, baseada no retorno do investimento, hoje o consumidor final baseia-se em outros elementos intangíveis no momento de escolha de onde irá se estabelecer, como, por exemplo, a qualidade de vida do local onde irá morar ou trabalhar. É este entendimento que nos obriga a pensar as cidades por uma ótica mais humana. 
 
Existe hoje uma retomada pela valorização das cidades, de maneira a repensá-las considerando o inchaço urbano que vivenciamos, sem prejudicar a mobilidade e integridade urbana. Mas quem “pensa” no modelo dessas cidades modernas?  A cidade é pensada e planejada a partir de diferentes pontos de vista: Governo, academia (universidades), a sociedade organizada e também pelo mercado imobiliário. Cada ponto de vista busca definir o conceito de como a cidade deve ser a partir de seus próprios interesses. Mas a pergunta que deveria mediar o planejamento urbano é “Em que tipo de cidade eu quero morar?”. É a busca por esta resposta que desencadeará um novo pensar, baseado na ética urbana.
 
Precisamos pensar a cidade a partir dela mesma, analisando o que é melhor para ela e para o bem comum. É imaginar projetos, construções e soluções urbanas de modo a preservar os melhores aspectos de uma cidade, ou seja, sua cultura, sua história, sua paisagem e seus espaços públicos. Esta mudança na lógica de mercado não é responsabilidade exclusiva dos players do mercado imobiliário, mas de todas as partes interessadas no desenvolvimento e bem estar urbano, que inclui também, Governo, academia e sociedade organizada.
 
Assim a definição da ética urbana, não passará apenas pelo debate ideológico, ela deverá, principalmente, atuar na definição de regras e critério claros e objetivos para um planejamento urbano ético, que se possa garantir o futuro de uma cidade sustentável. Isto inclui uma legislação adequada e efetiva na preservação do espaço público, uma academia que se inteire da realidade urbana e na apresentação de soluções práticas, uma sociedade ativa no debate e um mercado responsável no processo de transformação efetiva do espaço, em um pensar futuro, planejado para frente e corrigindo o passado.
 
Dentro da lógica do mercado imobiliário precisamos avaliar se os investimentos em desenvolvimento urbano podem agregar valor ao produto imobiliário e cremos que a resposta é sim. Precisamos acompanhar as mudanças, onde alguns valores considerados intangíveis, como design e integração urbana, ganharam importância na escolha de um imóvel.
 
É a partir disso que o próprio mercado precisa ir além, deixar o mero “quantitativo” e pensar qualitativamente, ou seja, chegou-se o tempo em pensar nas cidades, sem que isto seja uma pura ideologia, mas de maneira, social e mercadológica. Se é bom para a cidade é bom para o todo.
 
*Kardec Borges é sócio fundador da Unyt Arquitetura de Resultados, graduado em Arquitetura e Urbanismo, pós-graduado em Gestão de Negócios Imobiliários e especialista em projetos urbanísticos e arquitetônicos para empreendimentos residenciais, offices, comerciais, hoteleiros.
 
 

Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:
Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351