Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Ciro Rocha

Posicionamento para vencer a crise

| 22.01.16 - 15:36

Goiânia - Muito aguardado, 2016 chegou. Trouxe, no entanto, a certeza de que as empresas não terão um ano fácil pela frente. A primeira quinzena de janeiro veio para nos confirmar isso. A previsão é de que haja o registro de um PIB ainda negativo, inflação com índices crescentes, câmbio desfavorável e o acesso ao crédito cada vez mais restrito. A consequência direta ecoa em uma insegurança para se fazer novos investimentos, na redução do poder de compra e, também, no consumo da população.
 
Momentos como esse nos dão a oportunidade necessária de refletir sobre o rumo dos negócios e das estratégias adotadas no passado, que no atual cenário já não geram tantos resultados. E isso assusta! Se pararmos para pensar, provavelmente, o seu negócio evoluiu e era bem diferente de 10 anos atrás. Mas e a sua marca? Evoluiu junto? 
 
Em tempos de incertezas, onde a concorrência briga por preços cada vez mais baixos e a qualidade de um produto ou serviço se tornou commodity, ter um posicionamento de marca claro passa a ser fundamental para a prosperidade dos negócios e diferenciação de mercado. Isso inclusive traz à luz algumas perguntas simples de serem feitas, mas complexas de serem respondidas. Afinal, qual é o desafio do seu negócio e como a sua marca tem ajudado nisso? Qual é o seu propósito e o que torna a sua marca única? Quem é o seu público e por que ele acredita em você?
 
Saber exatamente quem você é e como você expressa isso, possibilita que seus consumidores entendam porque a sua marca é verdadeiramente relevante e porque, em meio a tantas outras opções, ela merece ser escolhida. Esse processo de construção de valor é conhecido como branding (gestão de marcas) e tem sido uma aposta de empresas de diversos setores para minimizar os efeitos da crise e fortalecer o relacionamento com seus públicos. 
 
Justifica, por exemplo, porque a Apple bateu recorde mundial de vendas com o Iphone 6S ou porque preferimos comprar Coca-Cola. É o mesmo caso do sabão Omo que continua deixando o branco mais branco e do mais recente caso do Jeep Renegade, que nos faz fazer história. A marca mexe com o nosso emocional e entra em nossa memória afetiva.
 
Vivemos em um contexto de muita exposição para as empresas e também, por isso, construir valor de marca passa a ser um desafio contínuo para todos. Essa é a razão pelo qual o tema tem sido amplamente discutido em todos os níveis de lideranças corporativas no mundo. Muito além do que ter uma logo atrativa ou uma campanha publicitária que emociona, branding é sobre ser verdadeiro, da prática à comunicação. E essa acaba sendo uma poderosa ferramenta para minimizar os efeitos da crise ou mesmo aproveitar-se dela para crescer.
 
Se você nunca fez uma reflexão sobre o papel da sua marca no seu negócio, hoje talvez seja o melhor momento para isso. Quem sabe não seja por aí que o jogo possa virar em 2016.
 

*Ciro Rocha é diretor de Marketing do Movimento Goiás Competitivo (MGC)
 
 
 
 

Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:
  • 27.01.2016 18:19 Ciro Rocha

    Muito obrigado, Alexandre. Que assim seja, independente do porte da empresa. Um abraço!

  • 22.01.2016 18:28 Alexandre Andrade

    Muito bom texto Ciro! Espero que esta cultura seja cada vez mais absorvida pelos empreendedores goianos.

Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351