Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Marconi Perillo

Orquestra Sinfônica Jovem, 15 anos

| 22.09.16 - 16:32
 
Goânia - Goiás tem uma rica história musical, dos autores e intérpretes de peças, saraus e celebrações religiosas da antiga Vila Boa e de Pirenópolis, aos expoentes de hoje. De geração em geração, talentos notáveis foram sedimentando as condições para que nos tornássemos referência em música de qualidade.
 
Difícil, em um único artigo, mencionar nomes sem cometer a injustiça de omitir valores importantes, seja por mérito ou afetividade, por isso me dirijo a todos os musicistas de Goiás através do nome da querida pianista Belkiss Spenzièri Carneiro de Mendonça (1928-2005), que personifica essa herança e motiva novos artistas.
 
O talento musical, expresso em todos os gêneros, corre na veia cultural dos goianos. Para estimular e dar vazão a ele, nossos governos vêm, desde 1999, incentivando a formação, a produção e a promoção de nossa música. São diversas iniciativas de sucesso, mas temos um carinho especial pela Orquestra Sinfônica Jovem de Goiás, que, desde 2001, propicia a crianças, adolescentes e jovens a formação em música erudita e a oportunidade de lapidar seu talento.
 
A Orquestra Sinfônica Jovem de Goiás completa 15 anos de fundação com uma extensa lista de talentos revelados e exportados para diversas partes do Brasil e do mundo, em elencos profissionais. Excelência que tem sido atestada nos cerca de 40 concertos a cada ano em Goiânia e na região metropolitana e nas turnês em cidades brasileiras e no exterior. O talento de nossos jovens músicos é atestado por inúmeros espetáculos memoráveis, com participação de expoentes como Sebastian Manz, Julian Steckel, Gottfried Engels, Luigi Sferrazza, John Farrer, Renato Borghetti, Yamandu Costa, Emílio De César, Laércio Diniz e Gian Luigi Zampieri.
 
Em agosto, a Sinfônica Jovem apresentou-se sob regência do alemão Gottfried Engels, membro desde 1980 da Sinfônica de Düsseldorf e professor de contrabaixo na Escola Superior de Música de Colônia, solista que já se apresentou em diversos países da Europa e das Américas e no Japão. Ele não economizou elogios à orquestra, extensivos ao trabalho desenvolvido pelo Instituto Tecnológico de Goiás em Artes Basileu França (Itego), onde estudam os jovens instrumentistas: são 180 integrantes divididos em quatro grupos sob a direção, desde 2002, do maestro Eliseu Ferreira.
 
Um dos motivos do êxito, segundo Gottfried, que avalia com a experiência de quem acompanha de perto orquestras juvenis na Alemanha e em outros países, é o Programa Bolsa Orquestra, criado pelo Governo de Goiás em 2005. Esse apoio é um diferencial, lembra o professor, pois permite maior dedicação dos alunos.
 
É gratificante ter tal retorno sobre essa proposta bem-sucedida de descoberta e formação de talentos, uma chance para muitas crianças e jovens de acesso a educação artística de qualidade sem cobrança de mensalidades e ainda recebendo bolsa como incentivo.
 
Os estudantes, em sua maioria provenientes de famílias que não têm recursos para pagar escolas particulares, têm por meio do Basileu França a chance de explorar o universo da música erudita, experiência que compartilham ao tocar não apenas em teatros e espaços especializados, mas também em igrejas, escolas e cidades do interior de Goiás e de outros Estados. Nossos jovens músicos atraem público diversificado, amplificando o acesso à música clássica e estimulando o surgimento de novos talentos.
 
O público da Sinfônica Jovem é atraído pelo repertório de mestres da música de concerto, como Beethoven, Mozart, Bach, Vivaldi, e também por clássicos do pop-rock, temas inesquecíveis de filmes e música sacra. Muitas apresentações são gratuitas ou com ingressos a preços simbólicos, mas os interessados em colaborar com as turnês da orquestra podem contratar apresentações ou fazer doações.
 
Após diversas turnês pela Europa, A Orquestra Sinfônica Jovem de Goiás foi convidada a realizar oito concertos na China, entre 25 de dezembro deste ano e 8 de janeiro de 2017, com os custos de estadia e deslocamentos internos por conta dos organizadores chineses. O Governo de Goiás está pagando metade das passagens e o restante está sendo obtido com atividades dos próprios músicos, nas contratações pela iniciativa privada.
 
A turnê na China vai acrescentar pontos a um currículo onde já constam apresentações aplaudidas na Espanha, na Alemanha e no Festival Villa-Lobos da Venezuela. Vai permitir o aperfeiçoamento e descortinar perspectivas para que mais jovens apostem no seu potencial, como fez Natanael Ferreira, de Anápolis. Formado na Sinfônica Jovem, Natanael estudou na Academia da Orquestra Sinfônica de São Paulo (Osesp) e na Haute École de Musique de Genève (Suíça). Atualmente, Natal é solista e a crítica europeia o considera um dos grandes jovens talentos da viola.
 
Esses são apenas alguns poucos exemplos de que vale muito a pena investir na formação musical erudita dos jovens goianos. Assistir à manifestação do talento da Orquestra Sinfônica Jovem de Goiás nos preenche de emoção, orgulho e gratidão. Os resultados dessa aposta aumentam nossa convicção no poder transformação da educação e da formação artística. Nossos aplausos mais vibrantes à Orquestra Sinfônica Jovem de Goiás. Bravo!





*Marconi Perillo é governador de Goiás

Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:
Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351