Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Sobre o Colunista

Pablo Kossa
Pablo Kossa

Jornalista, produtor cultural e mestre em Comunicação pela UFG / pablokossa@bol.com.br

O Blog

As canções de minha vida

Filme de Coutinho faz pensar sobre a música | 11.03.14 - 17:06 As canções de minha vida (Foto: divulgação/As Canções)
Goiânia - O Canal Brasil promoveu na última segunda-feira (10/3) a estreia do filme As Canções, de Eduardo Coutinho. Nessa obra, o cineasta, brutalmente assassinado por seu filho há pouco mais de um mês, expõe com a sensibilidade que lhe é ímpar as dores (que são maioria no filme) e alegrias (poucas) de viver, enaltecendo o fato de que muitas vezes uma música serve de moldura marcante para esses acontecimentos.

É impressionante como determinadas canções mais que estão ligadas, elas quase que verdadeiramente são momentos de nossa vida. Quando ouvimos uma música que foi importante em certa ocasião, principalmente quando de forma aleatória (no rádio, no supermercado, em uma festa...) a memória busca detalhes que, de tão fortes, parece estarmos novamente vivenciado aquela circunstância. Cheiros, clima, pensamentos... Tudo volta à mente em uma avalanche de sentimentos.

Pensando sobre minha própria experiência, é engraçado como não tenho uma única música para colocar no topo. Logo eu, que fico dias e dias sem ligar a televisão, mas surto se não tiver um som rolando. Não ter uma única para elencar é no mínimo curioso.

A música mais importante de minha vida é Lugar Nenhum dos Titãs. Foi a primeira, fora as infantis, que me fez pedir um disco de presente, que me impressionou e me fez querer ouvir mais. Mas ela não me emociona, não me arrebata como percebi nas pessoas que deram seu depoimento a Coutinho no filme de 2011. Sei da importância da música para minha própria história, mas é um reconhecimento racional do fato. Não é emocional.

Tem outras músicas que marcam relacionamentos e pessoas que passaram pela minha vida. De artistas que admiro em variados graus, desde a adoração ao mais completo desprezo. A lista tem Camisa de Vênus e Tribalistas, Beatles e Frejat, Jota Quest e Nirvana. Pode ver que a vida é dura em todos os sentidos...

O que realmente sinto quando ouço uma dessas músicas que me marcaram é quase um flashback. Parece que volto a ser aquele Pablo da adolescência, jovem adulto, da época de farra na faculdade, das incertezas após formado... Elas têm o poder de me recolocar em espírito em uma realidade que já foi minha e agora não me diz mais respeito.

Mas não é só a música que têm essa capacidade de nos deslocar no tempo. É uma característica dos sentidos de forma geral. Como sentir cheiro de café torrado e não lembrar da casa do avô na infância? Comer bolo de cenoura e não lembrar da casa da avó? Ir ao Serra Dourada e o cheiro da pamonha frita não me recolocar em um domingo de tarde da década de 1980 ao lado do meu pai em um jogo do Goiás? Impossível.

A diferença do poder da música é sua capacidade de lhe arrebatar quando menos esperamos. No meio do caótico trânsito da Marginal Botafogo congestionada, a rádio toca aquela canção que despedaça seu coração. Só mesmo muita concentração para não desabar sobre o volante e complicar ainda mais o chato cruzamento do viaduto que não termina nunca. Esse poder da música é único.

Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:
  • 13.03.2014 22:05 Haroldo Moreira

    A vida é uma metamorfose ambulante! Mas creio que todo o álbum Ventura do Los Hermanos marcou minha vida!

  • 12.03.2014 20:09 Nilton Sena

    Faço das suas palavras as minhas, muito lega a perçepção que adquirimos com o tempo e a experiência de vida, e não estou falando de saudosismo mas certas experiências ficam realmente marcadas , me lembro quando completei meus 18 anos entrei numa boate nos anos 80' 90 e vi uma pessoa em pleno delírio e êxtase ao som de SIMPLE MINDS, naquele momento sentí que aquele tipo de som iria me marcar pelo resto da vida . E hoje felizmente me sinto privilegiado com o som ao meu redor , com algumas exceções , mas viva a música e nossos sentidos apurados, e mais uma vez parabéns pela matéria e pela sua visão do mundo Pablo Kossa!!!!

  • 12.03.2014 16:36 Carolina Guiotti

    Q lindo o texto! Curti muito... O mais engraçado é que hoje mesmo, no caminho do trabalho eu pensei qual seria a música da minha vida, a minha preferida... Qual seria a primeira do Top 5? Difícil escolha, ainda mais para mim, que sou obcecada por música.Minha vida tem uma puta trilha sonora. Abração.

  • 12.03.2014 10:45 Geovana Nascimento

    Sempre que penso sobre o poder da música de te recolocar em certos momentos da vida... Lembro-me de "I of the mourning" do Smashing Pumpkins, que diz exatamente isso que você disse no último parágrafo: "Radio, plays my favorite song. Radio, I'm alone. Radio, please don't go... Radio..." Parabéns pelo texto!

  • 12.03.2014 10:10 eopeixenada

    Pablo Kossa, o lírico. Esse último parágrafo tá demais

  • 12.03.2014 08:33 Amanda Karla

    O poder da música é muito forte mesmo e certas músicas carregam fortes mensagens, foram escritas em fortes contextos por fortes músicos. Músicas são recheadas de emoções, mas também de inquietações. As vezes sou como o Pablo, não consigo eleger uma música para colocar no topo. Mas poderia citar diversas músicas que marcaram em minha vida. Toda vez que a escuta, não importando onde eu esteja, eu lembro de determinado acontecimento, de determinada pessoa. Acho que isso de lembrar de coisas ao ouvir determinada canção é uma forma de viver mais ou de se sentir mais vivo, mesmo que muitos dos fatos que lembramos sejam doloridos!

Sobre o Colunista

Pablo Kossa
Pablo Kossa

Jornalista, produtor cultural e mestre em Comunicação pela UFG / pablokossa@bol.com.br

Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351