Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Sobre o Colunista

Pablo Kossa
Pablo Kossa

Jornalista, produtor cultural e mestre em Comunicação pela UFG / pablokossa@bol.com.br

O Blog

Coraçãozinho para eles, Xuxa!

Apresentadora zoou babaquice fundamentalista | 23.05.14 - 09:12

Goiânia - Xuxa vem se transformando na arena pública há um bom tempo. É clara a transição da imagem que ela tinha na década de 1980 para a que tem hoje. Isso é até elementar. Quem seria o mesmo depois de mais de 30 anos de vida pública? Ela vem apoiando causas que considera relevantes também há um bom tempo, afastando-se da imagem que construiu no início de sua carreira. 

Na última quarta-feira, ela esteve no Congresso Nacional para defender a alteração no Estatuto da Criança e Adolscente (ECA) no intuito de proibir penas físicas para menores de 18 anos. É a tal da Lei da Palmada, como ficou popularmente conhecida.

O projeto não tem o apoio da bancada evangélica. Não faço a mínima ideia do porquê, pois não sabia que pastores defendiam a surra de cinto em menino desobediente. A bancada evangélica empata a análise do texto há um par de anos. Xuxa fez uso de sua influência como figura pública para tentar desenrolar essa pauta pela causa na qual ela milita. Nada mais justo e democrático na perspectiva representativa que vivemos - quem quer algo, que pressione seu parlamentar para que o mesmo se alinhe ao pensamento que você considera ideal. A apresentadora só não imaginava que seria recebida de forma tão vil e baixa no Congresso Nacional. 

O deputado federal pernambucano Pastor Eurico (PSB) jogou sujo. Lembrou um passado que Xuxa se arrepende e que, tenho certeza, não se orgulha. Nada mais natural. Você sente orgulho de tudo que já fez na vida? Pois é, nem eu.

Imagine se um erro que tivéssemos cometido na vida tirasse a legitimidade de tudo que propuséssemos de positivo dali em diante? Seria melhor a morte do que conviver com tamanho fardo. Pois é nessa linha de pensamento que se filia o deputado religioso. Esquecendo de que o cara que ele certamente tem como referência dizia para só atirar a primeira pedra quem nunca pecou, o deputado deu uma aula de deselegância ao citar o filme Estranho Amor no qual Xuxa, então em início de carreira, contracena de forma sensual com um garoto.

Só que a apresentadora é experiente quando o assunto é saia justa ao vivo. Mandou um "ahãn, senta lá, Pastor" e fez o coraçãozinho com os dedos. Enquanto ele vinha com pedras, ela com o popular gesto de carinho; ele na agressividade, ela no sorriso. Quem foi mesmo mais cristão nessa hora?

Nada me preocupa mais do que o fundamentalismo exacerbado de alguns no Brasil de hoje. A intolerância é mãe primeira da violência. Antes eu achava que era a desigualdade. Hoje não tenho mais essa convicção. Acho que o ódio pelo diferente é um problema maior.

Só um parêntesis, veja só a que ponto cheguei: estou elogiando a Xuxa. Quem te viu e quem te vê, seu Pablo…

A real é que o Brasil seria um lugar mais decente se tivéssemos mais gente como a Xuxa, que sabe que fez coisas que não mais representam seu pensamento hoje mas, mesmo assim, enfia a cara na luta pelo que acredita, do que de boçais sectários e cheios de ódio como o deputado pernambucano. 


Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:
  • 10.06.2014 14:54 janaina mathias guilherme

    Aliás, parabéns Pablito por mais esse texto brilhante. O mais engraçado é que quanto mais falamos da intolerância, quanto mais a rechaçamos mais intolerantes muitos se mostram! A carapuça cai! Sou fã dos seus textos!

  • 09.06.2014 12:01 JANAINA MATHIAS GUILHERME SOARES

    Cara Letícia, não sou a favor dessa lei e nem conheço esse deputado para julgar sua competência ou incompetência. Sou na verdade absurdamente contra quem vive enxovalhando a reputação alheia em função de supostos erros passados. No momento da crítica ninguém verifica se a personalidade em questão tem algum envolvimento social, se ela de alguma maneira como cidadã que é colabora para o social. Fui ao RJ, conheci a Fundação dela. O trabalho é sério. E mais: acredito sim que quem critica, em sua maioria não faz nada além de criticar. Não sei se é o seu caso, não te conheço. Só acho que para opinar sobre uma causa ou um ser humano há que se pesquisar melhor essa pessoa. O tal filme de que tanto se fala, fiz questão de assistir até porque não gosto de falar do que não conheço.Muito ruim. Tarcísio Meira e Vera Fischer se não me engano. De pornô só tem o nome mesmo.

  • 29.05.2014 11:05 Esclero Zaddo

    Cada vez mais vejo, pelos comentários abaixo, o quanto que IGREJA e RELIGIÃO deixam as pessoas retardadas! #JESUS É UMA FARSA

  • 28.05.2014 12:00 Cristiano Pires

    Acredito que a Xuxa não tem moral para 'apadrinhar' ou mesmo defender essa mudança no estatuto. Não se trata de religião! Ela devia ficar neutra. Tem um passado muito sujo! Eu vi o filme! Ela não tem condição alguma de falar nada a respeito. Ela cometeu uma agressão extrema a um menor e externou isso em filme. A questão discutida aqui é de um sujeito que não gosta de evangélicos. Independente de religião ou credo, opiniões são diferentes e deve-se prezar pelo bom senso. A Lei da palmada deve ser aplicada para casos extremos. Violência não é saudável para ninguém. A Xuxa praticou violência contra um adolescente de 14 anos no filme. Ela pode ter se arrependido. Mas devia ficar na dela. Leite derramado não se junta de novo. Eu sou contra a violência. Sou contra casos extremos. Porém acho que uma repreensão não faz mal a crianças mal-educadas. Acho essa lei para o momento desnecessária. E como já disse, a Xuxa não tem moral algum pra opinar nada a respeito! E nem esse colunista! Que defende alguém e não o real motivo da mudança! Sua opinião é descartável. É isso.

  • 27.05.2014 20:29 Luíza

    Segundo Gabriel, o pensador, o que Jesus pregou mesmo? Para sua informação, Jesus ama o pecador mas odeia o pecado. Xuxa nunca se arrependeu de seu passado, pelo contrário, aproveitou-se muito bem dele. Acho que não preciso mais relatar o que já foi exposto no link enviado. A Lei da Palmada impedindo beliscões e palmada no bumbum ? A própria Xuxa era odiada pelos jornalista por beliscar crianças em seus programas. Vocês são um bando de moluscos mesmo, defendendo Xuxa ao invés de pensar na essência de uma lei desta, o que representa isto em termos concretos. De repente, viraram um bando de paquitas e paquitos desinformados. Depois a bancada evangélica que é alienada. Que sandice!!!!

  • 25.05.2014 21:59 Gabriel

    hahahaha, quanto crente reaça por aqui! tenho pena de vocês, "senhores da moral e dos bons costumes". sejam menos hipócritas e arrogantes, por favor. quem nunca errou na vida? estão comparando xuxa com nazista? é muita ignorância. vocês praticam exatamente o oposto daquilo que jesus pregou!

  • 25.05.2014 09:13 Luíza

    A lei que está agora sendo chamada de Bernardo seria o quê? O garoto que foi morto porque o juiz considerou que não havia agressões corporais? Claro, segundo o juiz, agressões na alma não existem. Para os desinformados, já existem leis suficientes para proteger as crianças, o que seria a Lei da Palmada mesmo, senão um show de cretinice. Recomendo a leitura deste artigo, que resume tudo. Xuxa para o bobinhos. Não vou perder meu tempo explicando para idiotas. http://www.genizahvirtual.com/2014/05/xuxa-so-para-bobinhos-e-desconforto-da.html

  • 24.05.2014 19:22 Luiz Carlos Gomes Soledade

    Parabéns pelo Artigo Pablo, mais uma vez coerente em suas convicções, e é fato "...quem nunca errou que atire a pedra.." É digno reconhecer o erro e mudar a postura. Agora o que dizer da atitude do tal Estupitado? sem comentário,agora esta tal bancada evangélica, pelo amor de Deus, se acham acima do bem e do mal.em tempo seu elogio á Xuxa e pertinente e partilho da mesma.

  • 24.05.2014 19:03 jeanie

    O fato é que criança é reflexo do que aprende em casa, na escola, com os colegas, com a família. Portanto, se ela vem de uma família estabilizada, bem educada, ela não precisará de palmadas. O fato é que tem pais que passam o dia inteiro gritando e xingando um com o outro e depois quer dar palmada em filho que repete essa mesma ação. Em minha casa eu e meu irmão fomos criados com pais que viviam gritando, discutindo, brigando e fazendo escândalos, logo apanhamos bastante, pois repetíamos esse comportamento. Já meu irmão mais novo, nascido com 11 anos de diferença, em um novo contexto da família, onde não havia esse desrespeito entre os familiares jamais precisou apanhar. Então se vc acha q seu filho merece apanhar de vez em quando, repense nas suas atitudes, no que ele anda aprendendo com vc, com a família e na escola e mude isso antes de querer dar palmada.

  • 24.05.2014 14:29 Pulitzer

    Jornalismo politicamente correto: enquanto os jornalistas metem o pau na Xuxa, a questão é tratada como liberdade de expressão, opinião e análise crítica. Quando um parlamentar cristão faz a MESMA COISA é intolerância e preconceito. Já pensou se o parlamentar criticasse algum jornalista que escreveu sobre a Xuxa? A manchete seria “Deputado pastor defende comedora de crianças”. Mas quando o parlamentar faz exatamente a mesma coisa que eles tanto fazem, fizeram e, com certeza, ainda farão a manchete vira “Coraçãozinho para eles, Xuxa”. Este cara merece um prêmio!

  • 23.05.2014 21:38 Letícia

    Janaína, vc está se referindo à intolerância contra o pastor (que pode ser uma celebridade dentro do contexto gospel) ou com os comentários aqui registrados? Pq não preciso ficar listando minhas causas sociais, que vão além do meu umbigo, pode ter certeza. Ou vc acha que preciso do Estado para dar palpites em como educar meus filhos? Acho que a intolerância, como sempre, parte de quem aponta o dedo, acusa de intolerante sem ao menos saber da vida dos outros. Simplesmente acho patético os intelectuais, que antes abominavam a Xuxa, estão hoje defendendo a mesma simplesmente para demonstrar intolerância com os evangélicos. Acho graça, vcs adoram falar em democracia, porém, quando encontram alguém que discorda do ponto de vista, vão logo agredindo. Mostre o seu ponto de vista sem acusar de intolerante e egoísta. Vc está apostando em algo sem saber, pelo simples hábito de não admitir confrontos. Vc é a favor da exclusão do parlamentar na CCJ? Se for, então é uma intolerante nata.

  • 23.05.2014 21:13 Janaina Mathias Guilherme

    Eu gostaria de saber se quem apedreja a celebridade em questao, independente de concordar com o assunto causador da polemica com o politico, colabora com alguma causa social, se mantem ou ajuda a manter alguma instituicao q nao seja o proprio umbigo. As pessoas n percebem q essa intolerancia afunda cada vez mais esse pais. VIVER DO PASSADO ALHEIO E COISA DE HISTORIADOR.

  • 23.05.2014 20:22 Olívia Andrade

    O deputado federal Pastor Eurico (PSB-PE) foi destituído da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) depois do episódio Xuxa. Vejam só a que ponto chega um país que exclui quem fala a verdade e apoia uma lei sem sentido com uma madrinha sem credibilidade. Com certeza quem inventou esta sandice merece umas boas palmadas.

  • 23.05.2014 18:22 Letícia

    Comentaristas da Rádio Interativa, alguns colunistas daqui e moluscos são a mesma coisa.O mais incrível é que a rádio tem os jovens como público-alvo. Estão ensinando o quê para esta geração? Ótima colocação do Raniel! Os intelectuais são a favor de criarmos uma geração de mimados, maconheiros, aborteiras, funkeiros e todo tipo de corja que eles apoiam. Qualquer pessoa que almeja restaurar um mínimo de moralidade neste país é acusada de intolerante e preconceituosa. O nível baixo dos colunistas realmente dá vontade de vomitar. É muita falta de informação achar que educar com rigor seja torturar. Quem ama dá limites! Quem apoia a permissividade cria estes baderneiros, blac blocs, bandidos, criminosos e todo tipo de escória. Os jovens da rádio com certeza aplaudem o fim da educação neste país. Parabéns pela bela contribuição que estão dando. Por isto que criar filho hoje em dia é um grande projeto, pois temos que ficar atentos aos veículos de comunicação que nada somam, além das amizades e o que está sendo doutrinado nas escolas, ou seja, 100% conectado.

  • 23.05.2014 15:42 Raniel Nascimento de Souza

    Deixando de lado as polêmicas referentes ao entrevero entre a “rainha dos baixinhos” e o Deputado pastor Eurico, faço uma análise crítica à famigerada “lei da palmada” num outro viés. Os analistas, mormente os que se posicionaram a favor da lei da palmada, como pareceu ser a posição de alguns comunicadores da Rádio Interativa, inclusive criticando aqueles que lá ligavam ou mandavam Whatsaap sendo contrário à lei da palmada, não estão se dando conta do perigo que circunda os fatos. Num período de total DESCONSTRUÇÃO de valores que estamos vivendo (valores familiares, valores morais, valores religiosos, etc) soa como um perigo permitir uma INGERÊNCIA do estado meio que “ditando” como os pais devem se comportar com relação aos filhos. Ora, deixar que os pais percam o poder corretivo é, para mim, sinônimo de ingerência. Outra coisa: como diz o jurista Luiz Flávio Gomes, quanto mais leis um país tem, mais injusto ele tende a ser. Já temos leis suficientes para coibir quaisquer tipos de agressões. O problema não é criar mais leis, o problema é dar efetividade àquelas já existentes. Sendo assim, não é uma lei que vai proibir aquele pai ou mãe que, EXTRAPOLANDO os limites de pequenas palmadas moderadas, parta dolosamente para agredir ou até mesmo matar o filho. Existe uma ideologia maquiavélica travestida de ingerência do Estado atrás de tudo isso, e não estamos nos atinando para isso. O EXEMPLO CATASTRÓFICO DA SUÉCIA. No referido país, os pais são proibidos de aplicar qualquer castigo físico aos filhos, mesmo os mais moderados. Em 30 de novembro de 2010, um tribunal de um distrito da Suécia condenou um casal a NOVE MESES DE PRISÃO e ao pagamento de uma multa equivalente a R$ 23.800,00. O motivo foi que os pais admitiram que batiam em três de seus quatro filhos como parte normal de seus métodos de educação. Embora os documentos apresentados não relatassem nenhum tipo de abuso ou agressão (e o próprio tribunal admitisse que os pais “tinham um relacionamento de amor e cuidado com seus filhos), as crianças foram afastadas da família e enviadas para um orfanato estatal. Notadamente, o estado sueco tem uma intenção ideológica clara: retirar dos pais o poder familiar e educador, e doutrinar as crianças com suas ideologias diversas. Em junho de 2009, o governo sueco tomou do casal Christer e Annie Johansson o seu filho Dominic Johansson, depois que a família embarcou em um avião para se mudar para o país de origem de Annie, a Índia. O motivo alegado é que o casal, em vez de enviar seu filho para as escolas estatais, havia resolvido educá-lo em casa, uma prática conhecida como “home scholling” (escola em casa), amplamente praticada nos Estados Unidos e outros países, com excelentes resultados pedagógicos. As autoridades suecas, porém, decidiram remover permanentemente Dominic de seus pais, alegando que o ensino domiciliar não é um meio apropriado para educar uma criança. RESULTADO DA INGERÊNCIA ESTATAL SUECA: filhos MIMADOS, sem DISCIPLINA e sem EDUCAÇÃO, ao ponto de fazer com que, atualmente, a Suécia esteja revendo seus posicionamentos ante o fracasso de alguns de seus posicionamentos.

« Anterior 1 2 Próxima »

Sobre o Colunista

Pablo Kossa
Pablo Kossa

Jornalista, produtor cultural e mestre em Comunicação pela UFG / pablokossa@bol.com.br

Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351