Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Sobre o Colunista

Pablo Kossa
Pablo Kossa

Jornalista, produtor cultural e mestre em Comunicação pela UFG / pablokossa@bol.com.br

O Blog

O chato do vinil

Disco é bom com pinga, não com chá | 05.09.14 - 12:30 O chato do vinil .

Goiânia - Lá vou eu de novo falar mal de gente parecida a mim. É a triste sina de quem escolheu ser esse sujeito chato e que não acha nada engraçado. Tal qual Raulzito, macaco, praia, carro, jornal e tobogã para mim é tudo um saco. Vamos ao que interessa: não estou tendo a menor paciência para o chato do vinil.

Igual tem o chato da cerveja, o chato do vinho, o chato do café, agora desponta o chato do vinil. Ele é uma espécie de sommelier do LP. Sabe a temperatura certa que a agulha deve ter ao encontrar o sulco, sabe como limpar o disco para que a poeira não prejudique a audição, sabe balancear o peso do braço da vitrola... Só não sei se ele sabe o que é uma música boa.

São os zé-reginhas, tal qual Tostão batizou os que defendiam a punição do Flamengo e o rebaixamento da Portuguesa no Brasileirão do ano passado e que salvou o Fluminense da Série B do campeonato de 2014. Gente que se apega aos detalhes e não se atenta à essência. Percebe a forma mas não se liga no conteúdo. Gente insuportavelmente chata. Traduzindo para a língua da rua: chata pra cacete!

O chato do vinil se preocupa mais com a capa do que com o som. Mais com a pureza do áudio do que se a música é acachapante. Mais com o modelo do toca-disco do que quem toca bateria no álbum.

Costuma ser habituée de sebo, mas só porque pega bem no mundinho hipster. A real é que carrega álcool em gel em sua bolsinha ecologicamente correta para limpar a mão logo depois que deixa o local. Ah, e também tem rinite alérgica à poeira e não aguenta cheiro de mofo. Velho, na boa, gente assim tem que ser freguês é do iTunes, não de sebo no Centro da cidade!

Preciso confessar que a hypada geral que o vinil deu graças à modinha foi boa para mim. Vários títulos foram colocados novamente nas prateleiras, muitos lançamentos agora têm cópia em vinil. O problema foi a fetichização do objeto. E Benjamin estava certo que isso acaba com a beleza da aura.

O bom do disco é ele estar empoeirado, é ele chiar, é ele pular de vez em quando, é ele ter graves inalcançáveis em qualquer outro formato, é ele ter a capa e o encarte grande para lermos os detalhes. O vinil não é legal pelo fato de estar tocando naquele bistrozinho super descolado de ares londrinos e cheio de fotos de Polaróide.

O chato do vinil vai acabar transformando algo super massa em coisa de fresco para a percepção geral. Se é que já não está com essa aparência. E incomoda entender que eu, que não caí na mentira da indústria da substituição do vinil pelo CD e comprei grande parte de minha coleção na Feira da Marreta, estou no mesmo grupo desse chato. É de doer o pâncreas.

Vinil é bom com pinga, não com chá. E fique você com sua vitrolinha hipster saída direto da Fnac no seu mundinho aí.


Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:
  • 24.06.2015 23:41 Gilmar Martins

    Legal este artigo penso igual sobre este assunto,

  • 23.09.2014 15:45 Fernando Henrique guedes de Oliveira

    Cara gostei bastante do seu texto, vejo uma galerinha ''Gelzinho'' de bolsa, (morro de medo de me enquadrar nisso, pois coleciono vinil e sou novo) mas o mais importante pra mim é a musica, discordo da parte que vinil é bom estar empoeirado chiar e pular de vez em quando, estar com um disco o melhor possível só ajuda a ter uma melhor audição do seu artista favorito, duvido alguem dizer que não gosta de sentir os graves limpos e não distorcidos por vinil cheio de sujeira e risco? Em suma, gostei!!

  • 06.09.2014 23:03 Duílio Jr.

    Não tem como comparar tecnicamente o vinil e o CD. O CD reproduz 22khz de agudo. O ouvido humano não consegue escutar acima de 20khz. O vinil não chega à isso. No caso do grave é pior ainda pois este ocupa muito espaço no vinil. Por esse motivo sacrificam o grave para caber mais faixas. O CD não tem esse problema. Fora, é claro, a total ausência de ruído do CD. Quem acha que o vinil tem melhor qualidade de audio que o CD está enganado. Talvez seja por saudosismo. Isso tem muito mais a ver com emoção do que razão.

  • 05.09.2014 14:26 vi brum

    que texto bacana eu adoro vinil mas sou mais para nostalgia que me traz. Voce se referiu a vinis porem esse tipo chato ta proliferando em varias esferas!que mania dessas pessoas de enquadrar todo mundo ne?!

  • 05.09.2014 14:12 Aloh Prado

    vinil bom é com cannabis

Sobre o Colunista

Pablo Kossa
Pablo Kossa

Jornalista, produtor cultural e mestre em Comunicação pela UFG / pablokossa@bol.com.br

Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351