Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Sobre o Colunista

Cejana  Di Guimarães
Cejana Di Guimarães

Jornalista formada pela UFRJ e pela Universidade de Fribourg, Suíça. Vive há 20 anos em Zurique. / cejanadiguimaraes@gmail.com

Cartas do Exílio

O jornalismo morreu

Tente descobrir o mundo com os próprios olhos | 18.01.15 - 08:46 O jornalismo morreu (Foto: Reuters)


Zurique - Sempre tive orgulho da minha profissão e fiz tudo pra manter minha liberdade de pensar, agir, falar, escrever. Mas ultimamente tenho pensado em jogar meu diploma no lixo, o computador no fundo do lago, virar professora de meditação, benzedeira ou fazer bolos pra vender. Qualquer coisa que não mexa com jornais, nem com a atualidade.

Quer dizer que vocês acreditam mesmo no que lêem nos jornais? Quer dizer que vocês ligam a televisão para se informar? Para saber o que "acontece" no mundo? E depois ainda debater, brigar, discutir nas redes sociais? O que é isso gente?! O jornalismo morreu! O que se vê e se lê hoje nos jornais é apenas fruto do marketing das grandes corporações, dos lobistas, da propaganda política, partidária ou não, da construção de um discurso cada vez mais racista, xenófobo, eurocentrista e machista, defensor dos interesses de várias máfias, das do petróleo a das construtoras.

Aliás, todas elas trabalham em parceria. Há muito tempo, não é mais possível separar o capital legal do capital ilegal. O dinheiro do tráfico de drogas e de armas é investido em bancos, hoteis, universidades, cadeias de restaurantes gourmet, empresas de turismo, boutiques de luxo, tudo junto e misturado! E isso não é opinião, é informação. Recebida há quase 20 anos do Observatório Internacional do Tráfico de Drogas de Paris, baseada em pesquisas, reportagens e estatísticas.

A imprensa nunca foi neutra, mas piorou muito nos últimos anos, depois da crise econômica na Europa e nos Estados Unidos. Principalmente por causa da queda do número de assinantes, a diminuição da receita de publicidade e da quantidade de anunciantes e a concorrência da mídia digital. O mínimo de liberdade, garantido antigamente pela diversidade de anunciantes, desapareceu completamente, ficando cada vez mais dependente do grande capital e da verba publicitária dos governos e corporações. Hoje os meios de comunicação tradicionais são meros depositários do trabalho de assessores de imprensa, empresas de relação pública e de marketing.

Até um dos jornais mais sérios e respeitados da Europa, o Neue Zürcher Zeitung, rendeu- se recentemente ao capital do milionário e líder do partido de extrema direita da Suíça, Christoph Blocher. Seu editor chefe foi demitido e como sucessor foi indicado o homem de confiaça do empresário Blocher. Estamos vivendo uma tentativa de tomada de poder por partidos de extrema direita em vários países, uma radicalização do debate político e o aumento de repressão policial. Além disso, percebo uma grave diminuição das liberdades infividuais, através da manipulação dos meios de comunicação e de informações acumuladas e estrategicamente espalhadas pela internet, como Snowden não cansa de nos prevenir.

Acorda gente! Ou vocês realmente acham que o maior problema mundial hoje são os muçulmanos, como todos os jornais nos últimos dias nos fazem crer? Quer dizer que a morte de um traficante na Indonésia é mais importante do que as centenas de adolescentes negros mortos no Brasil pela polícia sem nenhum julgamento? Do que os homossexuais assassinados diariamente? Ou as mulheres mortas diariamente na fronteira do México? As sistematicamente agredidas, violentadas, estupradas em todo o mundo?

Será que você realmente acha que a polícia no Rio de Janeiro bate para se defender? Que um menino de 11 anos foi morto por que representava um perigo? Que não existe perigo maior no mundo do que o terrorismo islâmico? Que ele é o único existente? Que os atentados em Paris representam uma verdadeira ameaça à liberdade de expressão? Acredita que não existam outras centenas e milhares de vítimas diárias da opressão dos mesmos chefes de Estado que clamam na TV por justiça e liberdade? Que o tráfico de armas e o financiamento de grupos terroristas no mundo inteiro não é uma das estratégias mais conhecidas dos serviços secretos dos países do ocidente? Vocês realmente acreditam no que dizem os jornais?

Chega de hipocrisia! Desliga a televisão, conversa com o vizinho, com o motorista de táxi, com o porteiro do prédio, com o dono do restaurante, com o garçom, com seu médico, com o professor do seu filho, com o feirante, conversa olho-no-olho, abre um livro, questiona o que lê nos jornais, viaja para o interior ou para o exterior, mas sem tirar fotos, sem selfie, sem instagram, se possível sem celular, leva um bloco para anotar ideias, tenta descobrir o mundo, mas com os próprios olhos e pensa, pensa muito, em qual mundo gostaria de viver e o que você pode fazer para chegarmos lá.



Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:
  • 13.04.2015 11:03 Luiz augusto

    Cara Cejana; Também sou profissional de imprensa e não raras vezes questiono o papel que a comunicação social deveria,de fato,cumprir no ambiente social onde hoje gravitamos.No Brasil,como na Europa, o comprometimento da mídia com governos e grupos econômicos parecem condenar a atividade jornalistica a uma subserviência total e sem sentido.Mas quando nos deparamos com desabafos como o seu e de tantos outros companheiros, percebemos que,felizmente, a própria classe se reinventa em espaços como este que aqui ocupamos para cumprir o sacerdócio de formar consciências e mais que isso,garantir que as consciências se manifestem e façam valer o seu direito de acreditar na nos seus ideais de vida e liberdade.Siga não lendo jornais nem vendo tv,mas não deixe,jamais de se expressar, pois aí sim o jornalismo morreria de vez.Um abraço.

  • 29.01.2015 20:27 Bia Tahan

    É desanimador. Mas por outro lado, temos acesso a mais blogs independentes e opiniões diversas. A informação se multiplicou, temos outros canais de comunicação e a tendência é descentralizar cada vez mais. ótimo texto e argumentação Cejana. bjs

  • 28.01.2015 13:59 Vitoria

    Conforme a jornalista, só o simples fato de Julio Severo ser um cristão já o descredencia. Depois os religiosos é que são fundamentalistas e não os esquerdistas. Será que ela checou absolutamente todos os dados do artigo do Júlio ou somente disse que são boatos porque se trata de um religioso? Hilário. Com a palavra, o The Washington Time, que com certeza será refutado, também!

  • 27.01.2015 22:40 vitória

    Para você vê como as pessoas já possuem ideias esquerdistas, o comentarista disse que o traficante morto na indonésia (que deu entrevista antes de morrer dizendo que só traficou sua vida inteira) na opinião do ilustre comentarista, não é um criminoso.É o que então? Com certeza foi o responsável por centenas de mortes, destruição de milhares de famílias, mas ele diz que não era criminoso. Soros agradece o post. Não é boato,é fato comprovado. E assim está a maior parte da imprensa, financiada por organismos que são bancados por Soros.

  • 27.01.2015 21:37 Vitória

    O fato de não saber que Soros apoia ideias esquerdistas como liberação das drogas e do aborto simplesmente porque quer lucrar com este mercado só demonstra sua desinformação. Estes fatos já foram apurados por vários veículos de comunicação, grandes jornais, só você e a maioria dos jornalistas esquerdistas teimam em não saber ou simplesmente não querem saber.

  • 27.01.2015 21:30 Vitória

    Por Alexandre Borges O The Washington Times fez algo que anda raríssimo em jornais hoje em dia: jornalismo. Um jornal fazendo jornalismo hoje é notícia. Segundo apurou a publicação, os protestos "espontâneos" em Ferguson por conta da morte do assaltante Michael Brown foram patrocinados por ninguém menos que George Soros. Se tem algo de errado acontecendo no mundo, a chance de encontrar Soros por trás realmente não é pequena. O jornal pesquisou a declaração de renda da Open Society, uma das maiores ONGs de Soros, e descobriu que ela colocou nada menos que US$ 33 milhões em entidades que estavam por trás dos saques, dos protestos violentos, do vandalismo e do quebra-quebra naquela pequena cidade do Missouri. Esse episódio é mais um lembrete de que sem dinheiro, organização, estratégia, planejamento, logística e mais dinheiro, não se faz nada em política. Há mais de 30 anos George Soros gasta uma fortuna anual para promover suas idéias, estima-se algo como US$ 1 bilhão por ano, e de 30 anos para cá, não por coincidência, o mundo está ficando cada vez mais parecido com o que pensa e quer George Soros. "George Soros funds Ferguson protests, hopes to spur civil action" http://www.washingtontimes.com/…/george-soros-funds-fergu…/… "O dono do mundo", texto do Felipe Moura Brasil na VEJA que reproduz e comenta meu artigo sobre George Soros http://veja.abril.com.br/…/feli…/2014/08/17/o-dono-do-mundo/ "Barack Obama matou Ferguson" http://www.midiasemmascara.org/…/15564-barack-obama-matou-f…

  • 27.01.2015 18:37 Jose Achkar Petrillo

    O jornalismo esta corrompido e essa corrupção começa a acontecer já no primeiro período da faculdade, onde o futuro profissional de ja sofre a pressão do sistema, que começa a separar aqueles que se alinham s sua necessidade. Não é nem o caso do dinheiro do crime que corrompe o sistema, a lavagem do dinheiro ilícito apenas faz parte de um projeto mundial de poder onde se alinham os defendem seus interesses e suas riquezas. É o sistema que define leis que que colocam pessoas como o Brasileiro Marco Archer executado por transportar cocaína para a Indonesia como criminoso, o que ele não era! As leis feitas pelo sistema são feitas para colocar o cidadão no crime, pois a verba que movimenta no combate ao crime vai parar no bolso do sistema, onde financia os veículos de comunicação, financiam os Black Blocks, financiam os golpes militares nos países que optam por políticas mais humanas onde o capital fica em segundo plano. Não a interesse por parte do sistema em sanar os problemas, em curar as doenças, em esvaziar as prisões, em diminuir a violência contra a mulher, ou a violência urbana, não a interesse pois essas merdas todas dão muito dinheiro ao sistema, e toda iniciativa em erradicar qualquer dessas misérias humanas será drasticamente combatida pelo sistema que não hesitará um segundo em eliminar seus desafetos. Cuidado amiga, a EU é um verdadeiro campo minado.

  • 27.01.2015 16:55 Cejana Di Guimarães

    Cara Vitória, eu assino meus artigos com nome e sobrenome e todos conhecem a minha profissão. Gostaria que fizesse o mesmo para podermos aprofundar o nosso debate. Não foi preciso uma pesquisa muito longa para descobrir que Julio Severo não é uma pessoa qualificada para fazer análises sobre economia ou política internacional. Sou uma profissional e trabalho com informações e não com boatos ou propaganda política. Afirmar que George Soros é socialista chega a ser hilário, ele é conhecido no meio financeiro internacional como um milionário ultra-liberal, representante do mais puro e radical capitalismo financeiro, tendo feito toda sua fortuna em fundos de investimento. Enfim, acho que não vale à pena prolongar a discussão, pois os argumentos usados no artigo citado, assim como seu autor não são sérios. No meu texto, exponho apenas minha opinião pessoal, baseada em conhecimentos que adquiri durante muitos anos de estudo, leituras e a observação de países e realidades, as quais pude observar de perto e por muitos anos. Sou aberta ao diálogo, mas desde que seja coerente e baseado em fatos e não em suposições.

  • 27.01.2015 14:41 Tróia

    Segundo os intelectuais enragés, marxismo é glamour. Se o Brasil está destruído por conta da esquerda no poder, imagina a Grécia agora. A expressão gregos e troianos pode ser trocada por gregos, brasileiros, argentinos e etc no fundo do poço, literalmente. Que aumente a repressão policial porque os bandidos estão no poder há tempos.

  • 21.01.2015 16:37 Vitoria

    By Julio Severo Os protestos de Ferguson nos Estados Unidos foram muito mais do que sobre injustiça, raça ou um adolescente negro morto pela polícia. Faz algum sentido um adolescente branco morto por um policial negro não recebendo nenhuma atenção significativa da mídia enquanto um adolescente negro morto por um policial branco recebe atenção em massa da mídia? Quando um caso suspeito não faz sentido, siga o dinheiro. De acordo com o jornal Washington Times, o bilionário socialista George Soros doou 33 milhões de dólares para organizações esquerdistas que ajudaram a transformar os eventos em Ferguson de um protesto local para um incontrolável incêndio nacional e internacional. Um número elevado de ativistas viajou de muitas cidades de todas as partes dos Estados Unidos para invadir Ferguson aos montes para transformar um protesto local numa revolução nacional. Ônibus de ativistas de organizações que incluíam a Aliança de Políticas de Drogas, Make the Road de Nova Iorque e o Centro de Mudança Comunitária de Washington — todas financiadas em parte por Soros — foram para Ferguson começando em agosto e continuando a organizar protestos ali até o final de dezembro, de acordo com o Washington Times. Uma das organizações que Soros financia, e que inflamou as manifestações em Ferguson, é a Fundação Gamaliel, uma rede de organizações inter-religiosas de base. O presidente Barack Obama iniciou sua carreira como organizador comunitário numa filial da Gamaliel em Chicago. A filial da Gamaliel em St. Louis — Congregações Metropolitanas Unidas — organizou o “Fim-de-Semana de Resistência” em outubro, em que pastores, padres e outros líderes religiosos de todas as partes dos Estados Unidos foram convocados para irem a Ferguson para protestar. Representantes de Sojourners, uma organização evangélica socialista presidida por Jim Wallis, fizeram parte desse evento. Essa organização recebeu 150 mil dólares de Soros em 2011. Pastores da Conferência Samuel Dewitt Proctor (CSDP), onde o Rev. Jeremiah Wright faz parte do conselho de administração, também participaram dos protestos. Wright era o pastor de longa-data de Obama. A CSDP recebeu 250 mil dólares de Soros em 2011. Como é que Soros consegue dar verbas enormes para organizações socialistas? A fortuna do bilionário foi feita a partir de especulações nos mercados financeiros, em grande parte fazendo mais de 1 bilhão de dólares na década de 1990 ajudando a aleijar o sistema financeiro britânico. Soros é um apoiador famoso de causas socialistas e é um doador político das campanhas de Obama. Ele deu 1 milhão de dólares para Obama em 2012. Ele construiu um império empresarial que domina dos EUA à Europa, enquanto forja uma máquina política movida por fundações sem fins lucrativos que vem provocando impacto nas políticas americanas e internacionais. Como ele tem influenciado no cenário internacional? Será que Soros também usou o “golpe de Ferguson” em outros lugares? Toda vez que você observar uma revolução, siga o dinheiro, e não se assuste nem se surpreenda se Soros estiver envolvido nos bastidores. Se você pensa que os 33 milhões de dólares que Soros gastou para inflamar Ferguson é muito, considere a revolução “misteriosa” na Ucrânia. “Soros já forneceu mais de 100 milhões de dólares para sustentar grupos ucranianos,” de acordo com o WorldNetDaily, que também disse que “George Soros investiu pesadamente na crise da Ucrânia.” Agora, por causa de Soros e suas ambições socialistas, o mundo está mais perto da guerra. Tanto na crise de Ferguson quanto na crise da Ucrânia, o governo dos EUA sob Obama tem ficado do lado de Soros e suas tramas. As tramas de Soros também têm mirado os cristãos. Em 2012, o Centro de Direitos Constitucionais, uma organização marxista financiada por Soros, apresentou uma ação judicial contra o Rev. Scott Lively por “crime contra a humanidade.” O crime dele? Ele expressou a opinião cristã tradicional sobre as perversões homossexuais no Parlamento de Uganda. Se Soros pode transformar um protesto em revolução nacional, o que impede uma de suas organizações de transformar um pastor evangélico num “criminoso contra a humanidade”? A especialidade dele é inflamar. Lamentavelmente, Soros tem mais planos contra os cristãos. De acordo com o ChristianPost, ele está financiando movimentos para enfraquecer o apoio evangélico tradicional a Israel. Soros é judeu. Como é que um judeu consegue minar as igrejas evangélicas pró-Israel? Aliás, como é que um judeu bilionário capitalista pode financiar tantos protestos, crises e revoluções socialistas ao redor do mundo, de Ferguson à Ucrânia? Se há traidores entre os cristãos (e a maioria deles é socialista), por que não haveria judeus traidores igualmente socialistas? Na próxima vez que você observar um protesto suspeito se transformando numa revolução socialista, siga o dinheiro. No final desse arco-íris das trevas, há um ganancioso capitalista socialista e suas tramas. Com informações do Washington Times, Daily Mail e NewsMax. Pois é, por trás de todas as tragédias da humanidade há sempre um socialista esquerdista nojento ganhando muito dinheiro.George Soros é um exemplo disto.

  • 19.01.2015 17:52 Rogério

    O jornalismo morreu. A capacidade de compreensão e interpretação de texto de um comentarista também!

  • 19.01.2015 15:52 Vitória

    Nossa, o Brasil é melhor do que a Suíça. Esta é pra acabar. O trabalho escravo, as mortes, falta de direitos humanos na China são resultado do capitalismo selvagem, tá. E por fim, você afirma que é neutra com um texto dizendo que os "negros morrem nas mãos da polícia". "O homem medíocre não acredita no que vê, mas no que aprende a dizer.” (Olavo de Carvalho). Você deve ser muito oprimida na Suíça, vem pra Caixa.

  • 19.01.2015 14:44 Cejana Di Guimarães

    Obrigada pelo seu comentário, Vitória. Gostaria apenas de lembrar-lhe que existe um universo inteiro entre uma extrema direita e uma extrema esquerda, que felizmente esses duas posições hoje são mais exceção do que regra. Não faço apologia de uma nem de outra e acho esse tipo de discussão uma perda de tempo. O mundo não está mais dividido entre esquerda x direita e a guerra fria já acabou há muito tempo. Não existe mais União Soviética e os EUA reataram relações com Cuba. Estive na China e lá não existe mais comunismo, mas um capitalismo selvagem dominado por uma ditadura partidária e em cada esquina um Mc Donalds. Ou seja, esse discurso só serve para manipular a opinião pública e alimentar guerras e guerrilhas que trazem muito lucro à indústria de armas e outras pessoas que vivem de alimentar o medo na população. E por último, gostaria de lhe informar, como conhecimento de causa, que o liberalismo econômico do Brasil hoje é muito maior do que o da Suíça. E que sim, se pudesse, adoraria estar morando hoje no Brasil!

  • 18.01.2015 23:27 Vitória

    Nada como sair do Brasil e ir para um país onde o liberalismo econômico promove o verdadeiro sucesso e depois meter o pau no sistema que lhe sustenta. Este texto é totalmente esquerdista, assim como toda a imprensa mundial, bem ao contrário do que vc quer disseminar. A imprensa mundial está infestada de jornalistas de esquerda, que escrevem algo do tipo: a polícia não presta e a extrema-direita é uma merda. Faça o seguinte: deixe o liberalismo econômico, a qualidade de vida, a extrema-direita, a segurança e todas as coisas boas que a Suíça te oferece e volte para a extrema-esquerda que tomou conta do Brasil. Aqui tá bão demais.

  • 18.01.2015 09:45 José

    Primeiro texto lúcido que vejo no A Redação. Parabéns!

Sobre o Colunista

Cejana  Di Guimarães
Cejana Di Guimarães

Jornalista formada pela UFRJ e pela Universidade de Fribourg, Suíça. Vive há 20 anos em Zurique. / cejanadiguimaraes@gmail.com

Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351
Ver todas