Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Sobre o Colunista

Pablo Kossa
Pablo Kossa

Jornalista, produtor cultural e mestre em Comunicação pela UFG / pablokossa@bol.com.br

O Blog

Léo Moura merece as homenagens do Flamengo

Quem fica 10 anos no mesmo time tem seu valor | 04.03.15 - 12:26


Goiânia - No futebol de jogadores nômades de hoje, quando um cara fica 10 anos vestindo a mesma camisa tem que ser destacado. É o caso do lateral-direito Léo Moura. Hoje o Flamengo faz um amistoso contra o Nacional do Uruguai para homenagear o camisa 2, que deixa o time carioca para jogar no Fort Lauderdale Strikers dos Estados Unidos. Justíssimo.

Léo Moura está longe de ser um grande craque do imenso rol da história brasileira. E muito menos na lista do rubro-negro. Nem em sua posição ele teria titularidade caso listássemos os maiores laterais da história do Flamengo. Nasci em 1979 e, dos que vi jogar, Leandro e Jorginho eram muito mais craques que o moicano da camisa 2. Certamente devem haver outros laterais-direitos de destaque na história mais remota do clube de maior torcida do Brasil. Mas o recorte aqui é em outra perspectiva. Os clubes brasileiros perderam jogadores de referência. E Léo Moura teve esse papel nos 10 anos que ficou no Flamengo.

Quando conversamos com alguém mais velho e que gosta de futebol, não é raro o cara listar as escalações de vários times, do goleiro ao ponta-esquerda. Era normal, já que o clube repetia as escalações partida após partida. Os jogadores criavam identidade com a torcida. Hoje, se você não for um doente que acompanha até rachão no treino, é muito difícil listar os 11 jogadores que entraram em campo no último jogo do clube que você torce. Varia demais. Os caras entram em campo e você nem sabe de onde veio o fulano que fez aquele belo lançamento. E para onde ele foi depois que deixou seu time. A geração de hoje não sabe a importância de jogadores referência.

E essa situação fica mais excepcional ainda quando falamos de jogadores de linha. Para goleiros, ainda existe uma estabilidade maior. Harlei no Goiás, Márcio no Atlético, Rogério Ceni no São Paulo, Jefferson no Botafogo... São mais comuns. O que é bem mais raro para outras posições.

Quais outros jogadores do atual futebol brasileiro têm uma identificação com a torcida como Léo Moura e os flamenguistas? Consultando só minha combalida memória, me recordo de Fred no Fluminense e Robinho no Santos. Certeza que estou me esquecendo de outros casos. Ajude-me aí nos comentários, por favor.

Léo Moura chegou ao Flamengo em uma fase de escassez de títulos e glórias, o que maximiza sua importância para a atual geração. Desde 1992 o Flamengo não ganhava o Campeonato Brasileiro. Vários rubro-negros nunca haviam visto o clube levantar o principal troféu do futebol nacional. Ele não só estava no elenco vencedor de 2009, como foi peça importante para a conquista.

Quando a safra é ruim, os vinhos médios se destacam. Como os bons tempos do Flamengo são remotos, um jogador mediano como Léo Moura é alçado à condição de ídolo de hoje. Culpa dele? É claro que não. Ele fez a parte que lhe cabia. E é digno das honrarias que recebe em sua despedida. Quem não tem cão, caça com gato. Quem não tem mais Zico, vai de Léo Moura como ídolo. Parabéns ao camisa 2 pela bela história no Flamengo.


Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:
  • 08.03.2015 11:43 wagner lima

    Como o Pablo sempre diz ... Como tem gente que não sabe interpretar um texto !!! Ave Maria!!

  • 06.03.2015 11:01 João Paulo

    Que isso cara? - "quem nao tem mais Zico vai de Léo Moura? comparar o Zico com qualquer jogador é sacanagem, e o Léo Moura joga demais pra posição dele. Lateral direito são todos ruins nem na seleção brasileira joga, e o léo Moura é completo, sabe marcar, cruzar e tem velocidade.

Sobre o Colunista

Pablo Kossa
Pablo Kossa

Jornalista, produtor cultural e mestre em Comunicação pela UFG / pablokossa@bol.com.br

Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351