Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Sobre o Colunista

Mônica Parreira
Mônica Parreira

É jornalista graduada pela PUC Goiás / monica.parreira@aredacao.com.br

Histórias das Olimpíadas

1912: Jogos de Estocolmo

Delegações dos cinco continentes participaram | 15.07.16 - 12:08 1912: Jogos de Estocolmo Cerimônia de abertura dos Jogos (Foto: COI)
Goiânia - Comitê Olímpico Internacional escolheu Estocolmo, na Suécia, a sede dos Jogos de 1912. A missão dos suecos era promover uma edição grandiosa, até porque se tratava do único grande acontecimento da cidade no período. Conseguiram.
 
Pela primeira vez o evento reuniu representantes dos cinco continentes. Tal feito fortaleceu ainda mais a concretização do sonho do Barão de Coubertin, idealizador das Olimpíadas da era moderna. Se na primeira edição, Atenas 1896, foram 241 homens disputando o torneio, Estocolmo reuniu 2.407 atletas, sendo 48 mulheres.
 
 

 
Estocolmo também atraiu os olhos do mundo inteiro por usar tecnologia nos Jogos. Sistemas de som foram instalados nos ginásios e até em algumas ruas, o que facilitou a narração de momentos emocionantes. Nas competições, o que mudou foi a inclusão da cronometragem eletrônica.
 
Destaques e curiosidades
Mais compacta, a competição ocorreu de 5 de maio a 27 de julho, distribuindo 310 medalhas. Foi nesta edição que surgiu o pentatlo moderno, com a mistura de tiro, natação, esgrima, hipismo e corrida de 4 mil metros.
 
O norte-americano Jim Thorpe venceu a prova recém-criada, além de outras, recebendo o título de "maior atleta do mundo", dado pelo rei sueco Gustavo V. No ano seguinte, o atleta teve a medalha retida pelo COI, que descobriu o recebimento de dinheiro para jogar beisebol - prática não admitida pela organização. A decisão foi revogada 30 anos após a morte do atleta, sendo as medalhas devolvidas à sua família.
 
(Foto: COI)
 
Estocolmo também teve um capítulo triste em sua história, com a morte de um atleta durante o evento. Participante da maratona, o português Francisco Lázaro desmaiou por volta do quilômetro 30. Ele foi hospitalizado por causa de uma insolação, mas acabou morrendo no dia seguinte. 

Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:

Sobre o Colunista

Mônica Parreira
Mônica Parreira

É jornalista graduada pela PUC Goiás / monica.parreira@aredacao.com.br

Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351
Ver todas