Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Sobre o Colunista

Mônica Parreira
Mônica Parreira

É jornalista graduada pela PUC Goiás / monica.parreira@aredacao.com.br

Histórias das Olimpíadas

1992: Jogos de Barcelona

Falha no placar quase tira prata de G. Borges | 01.08.16 - 11:04 1992: Jogos de Barcelona (Foto: COI)
 
Goiânia - Barcelona esperou cerca de 70 anos para sediar as Olimpíadas. Deu certo em 1992, uma edição marcada por novo contexto geopolítico mundial, como a queda do muro de Berlim, a fragmentação da União Soviética e o banimento do apartheid na África do Sul. Toda essa transformação rendeu bons números aos Jogos: 169 países participantes, somando mais de 9,3 mil atletas. 
 
 
Grandiosa, a cerimônia de abertura teve como momento marcante o lançamento de uma flecha com fogo olímpico para acender a pira. O arqueiro espanhol e paralímpico Antonio Rebollo foi o responsável por acertar a pontaria. A edição começou no dia 25 de julho e foi até o dia 9 de agosto daquele ano. 
 
Destaques e curiosidades
A seleção brasileira mostrou ao mundo o seu talento no vôlei. Os mais apaixonados pelo esporte ainda conseguem escalar a seleção masculina, que em Barcelona faturou o ouro, inédito para o Brasil em competições coletivas: Tande, Amauri, André, Carlão, Douglas, Giovane, Janelson, Jorge Édson, Marcelo Negrão, Maurício, Paulão e Talmo. O outro ouro foi para o judoca Rogério Sampaio, na categoria meio-leve.
 
O momento mais dramático dos Jogos em Barcelona envolveu o nadador Gustavo Borges. Um erro no placar tirou o brasileiro dos primeiros colocados nos 100m livre. A tristeza tomou conta do atleta e revoltou toda comissão técnica e até mesmo o chefe de delegação, Coaracy Nunes, que foi reclamar do resultado. Depois da tensão, os fiscais de prova confirmaram que Gustavo tinha mesmo chegado em segundo lugar.
 

(Foto: divulgação)
 
A prata de Gustavo, somado aos dois ouros, deixou o Brasil na 25ª colocação do quadro de medalhas. A Comunidade dos Estados Independentes (CEI), parte da antiga União Soviética, ficou em primeiro lugar, com 112. Os Estados Unidos foram o terceiro (108), e a anfitriã Espanha garantiu o 6º lugar (22). 

Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:

Sobre o Colunista

Mônica Parreira
Mônica Parreira

É jornalista graduada pela PUC Goiás / monica.parreira@aredacao.com.br

Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351
Ver todas