O Blog  07.02.2012 11h01
Enquanto eles brigam, o aluno dança

Reposição de aulas é sempre uma mentira

Em minha vida estudantil, encarei cinco greves de professores. Em todas, o governo cedeu migalhas para atender a demanda da categoria, os professores fingiram que foram contemplados e voltaram para as salas de aula felizes com as moedinhas a mais no contracheque e quem se deu mal de verdade em toda história, advinha, fomos nós, os alunos. A primeira greve que vivi, ainda estava no primeiro grau (atual ensino fundamental) e foi uma paralisação geral que pegou até as instituições particulares de ensino. Aquilo acabou com o projeto familiar de passar as férias de julho no Araguaia. Eu, naturalmente, fiquei puto. Ainda mais quando percebi que não havia mudado nada dentro de sala de aula.

 

No segundo grau, atual ensino médio, peguei duas greves dos professores da Escola Técnica Federal de Goiás. Ali entendi como realmente funciona a tal da reposição das aulas. Os professores passam um trabalho moleza que, em tese, corresponderia ao conteúdo que seria ministrado naquele período. Os alunos entregam qualquer coisa nas coxas, ninguém tira menos que 8, todos passam de ano e ninguém aprende nada. É assim que a coisa funciona e não adianta vir com conversa mole falando que é diferente. Durante o ensino superior, essa prática que narrei acima só se confirmou nas outras duas greves que enfrentei na Universidade Federal de Goiás. Os professores fingem que repõem, os alunos fingem que aprendem, o governo finge que reajusta o salário e tudo continua na mesma.

 

Entendo que a única maneira de uma categoria profissional lutar pelo seu direito trabalhista é a greve. Contudo, em via de regra, o olhar dos que reivindicam fica direcionado somente ao próprio umbigo. O debate do movimento paredista foca exclusivamente na questão salarial e não entra de verdade nas questões que de fato interferem na qualidade do ensino. A conversa fica só na superfície, enquanto os números da educação patinam entre o medíocre e o lastimável. E não me venha dizer que a questão salarial não é o cerne da questão, pois é sim. Essa greve não estaria acontecendo sem que na pauta central não tivesse contracheque, incorporações, reajustes e coisas que interferem no orçamento do trabalhador. A qualidade do ensino é vista como consequência natural do reajuste salarial, o que está longe de ser verdade.

 

O professor recebe pouco? É claro que sim! Ganha ridiculamente por um trabalho de importância central no desenvolvimento da sociedade. O piso ainda é vergonhoso, embora seja um inconteste avanço. Professor deveria ter seu salário comparado ao dos magistrados, se fôssemos realmente levar a educação a sério. Quando você percebe que toda máquina do Judiciário recebe várias vezes mais do que quem come giz na sala de aula, dá para sacar que alguma coisa está muito errada no caminho desse País. E essa briga tem que ser enfrentada no Parlamento, com deputados que estejam comprometidos com a causa e que possam exercer pressão no Executivo para a melhoria.

 

O fato é que enquanto o pau quebra entre Secretaria de Educação e o sindicato dos professores, os alunos é que levam as bordoadas.

Comente


Comentários

  • 09.02.2012 09:50 Por João Damasio

    Pois é, seu Pablo... só dois pontos básicos que você desconsiderou: - Com ou sem greve, a qualidade da educação está desse jeito: finge que estuda, finge que dá aula, finge que paga. Também estudei em escola pública sempre e só peguei uma greve. Foi a mesma coisa que período de aulas. - Não há como embelezar a casa, com chão de terra. A questão salarial é o chão de terra, claro que é a pauta principal. Tem que ser pauta. A melhor aula que eles podem dar, então, é essa, a "Aula de cidadania": http://descaradamasio.blogspot.com/2012/02/aula-de-cidadania.html

  • 07.02.2012 12:10 Por Fabricio Fernandes Pinheiro

    A verdade sobre essa greve de professores é que quando o Estado anunciou que iria implantar o piso federal os professores imaginaram que finalmente seus salários iriam duplicar e que eles realmente iriam ter um aumento "digno", mas a realidade é outra e viram que seus salários aumentaram pouco devido a remoção das gratificações e por isso resolveram protestar e o SINTEGO aproveitando ainda mais que estamos em um ano em que terá eleições (é só chegar essa época que pipocam as greves) resolveu peitar o Governo. Falam que os salários abaixaram e blá, blá, blá... Mostrem o contracheque do antes do piso e o depois do piso (claro utilizando o contracheque do mesmo professor) e provem para a sociedade e mostre que o Governo realmente sacaneou com todos os professores.

  • 07.02.2012 11:59 Por Luísa

    A educação não é coisa só do governo, dos professores ou do sindicato. A educação é de todo mundo que mora nesse país e nesse Estado. Ora, chorar pq os alunos ficaram sem aula? Os alunos, os pais, os jornalistas, o açougueiro da esquina, os advogados, enfim, todo mundo deveria estar preocupado com a educação. Todo mundo deveria apoiar salários dignos e condições dignas de trabalho para os professores. Se a reposição de ual não é a adequada, o que não discordo, cabe aos alunos, aos pais e a todo mundo questionar e propor novos métodos. Não é a greve que prejudica os alunos,, o que prejudica os alunos e toda a sociedade é a falta de investimento na educação e a forma de tratar educação como mercadoria que tem que gerar lucro.



Publicidade

Publicidade