Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Sobre o Colunista

Declieux Crispim
Declieux Crispim

Declieux Crispim é jornalista, cinéfilo inveterado, apreciador de música de qualidade e tudo o que se relaciona à arte. / declieuxcrispim@hotmail.com

Cine Qua Non

Menino do Rio

| 03.07.17 - 08:54 Menino do Rio (Foto: divulgação)
Goiânia - Antônio Calmon me marcou profundamente em dois momentos da minha vida: na infância e na vida adulta. Quando tinha oito anos, assisti à novela Vamp, que me arrebatou completamente, desde a abertura com a canção de Vange Leonel à atuação soberba de um dos meus humoristas favoritos: Otávio Augusto. E ainda havia um elenco maravilhoso permeado por inúmeras referências cinematográficas - de A Noviça Rebelde a Godard - que fui perceber somente quando revi a novela após 25 anos. Na minha vida adulta, filmes como Eu Matei Lúcio Flávio, Paranoia e Menino do Rio selaram as marcas definitivamente, sobretudo, Menino do Rio, que acho inclusive inferior aos dois mencionados, mas cuja beleza plástica e enredo dialogam diretamente comigo. 
 
Por meio de um retrato de época impregnado de nostalgia, é tecido um painel que rege o comportamento da juventude meio hippie, vivendo sob as ondas nas deslumbrantes praias do Rio de Janeiro e capturadas pelas lentes da câmera de Calmon de um modo bastante sincero que transporta e expectador àquele período embalado por canções de rock que surgiam naquele momento. Inclusive, há participação de André De Biase, Evandro Mesquita e Sérgio Mallandro, lendas que se tornariam símbolos inconfundíveis dos saudosos anos 80.
 
Uma geração descompromissada, vivendo intensamente a cada instante, representada por personagens marcantes, formando um arco interessantíssimo composto por Valente (André De Biase), o protagonista da trama com ar despojado e agradável, que mora próximo à Barra, vive de bicos consertando pranchas de surfe e possui hábitos alimentares saudáveis. Ele se vê cercado por bons amigos que cultivam estilos semelhantes: o casal bon vivant Aninha (Cissa Guimarães) e Paulinho (Evandro Mesquita), Zeca (Sérgio Mallandro) e Pepeu (Ricardo Graça Mello), a quem Valente adota por ser um pobre menor abandonado.
 
Entre festas regadas com muita diversão, luau em Saquarema, baseados e voos de asa-delta, os personagens transitam a seu bel-prazer, nutridos por uma amizade sincera e verdadeira. Um pedaço de paraíso perdido que evoca as mais doces e tenras recordações de outrora, um tempo que ficou para trás, mas vívido nas memórias de quem experenciou a referida época, repleta de ingenuidade. Valente se apaixona por Patrícia (Cláudia Magno), uma jovem de classe média alta que o esnoba devido às diferenças sociais. Ela está noiva do abonado Adolfinho (Ricardo Zambelli). Quando Valente a encontra em um desfile, ela o convida para o seu aniversário. Durante a festa, a moçoila descobre que Valente é filho de um bem sucedido empresário de meia idade, a quem Patrícia nutre uma certa atração. 
 
Adolfinho, ao descobrir a traição de Patrícia, vinga-se de Valente, por quem ela decidiu se relacionar, apresentando a ele uma carta escrita por ela quando ela estava apaixonada pelo seu pai. Valente rompe com Patrícia e parte desesperadamente em direção a um turbulento mar. Ao perceber que seu afogamento, Pepeu e um outro amigo tentam salvá-lo, mas o primeiro acaba falecendo em uma cena muito triste. 
 
Quando Patrícia é noticiada pelo terrível acidente, ela tenta novamente uma aproximação, mas sem sucesso. Ela então decide casar-se com Adolfinho, mas no meio da cerimônia ao ar livre, Valente surge de asa-delta e leva Patrícia em fuga. É impossível passar incólume sobre a tortuosa película de Calmon, apesar de ser imperfeita e extrair interpretações caricatas do elenco, a paixão pelo cinema e pelos personagens irrompem nas veias pululantes do seu realizador.

Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:
  • 03.07.2017 11:42 Flávia Bosso

    Vamp foi uma novela maravilhosa, e olha que eu não gosto de assistir novela, mas essa eu vi e revi também, cheia de referências, eu gostei da atuação dos atores, a direção é incrível, foi um vício assistir Vamp. Rio cidade maravilhosa. Declieux Crispim, adorei! Como sempre excelente, parabéns! Muito bom!!!!!

Sobre o Colunista

Declieux Crispim
Declieux Crispim

Declieux Crispim é jornalista, cinéfilo inveterado, apreciador de música de qualidade e tudo o que se relaciona à arte. / declieuxcrispim@hotmail.com

Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351
Ver todas