Gastronomia  31.08.2011 11h42
Rodízio de comida de boteco ganha Goiânia

Petiscos agradam público consumidor

Rodízio de comida de boteco ganha Goiânia Variedade no cardápio é a atração dos rodízios de petiscos (Foto: Divulgação)

 

Lis Lemos

Quem frequenta os bares de Goiânia, há algum tempo tem se deparado com algo que parece ser uma febre, ou pelo menos uma tendência, muitas vezes apetitosa: o rodízio de comida de boteco. Cumbucas de torresmo, quibe frito, coxinha, bolinho de bacalhau desfilam aos olhos dos clientes e incrementam o cardápio dos bares da cidade.
 
Há um ano, o Chopp Time da T-10 apostou no rodízio de petiscos para conquistar maior público em um dia que não costuma ser dos mais movimentados. Toda terça-feira é oferecido escondidinho de carne seca, frango a passarinho, filé mignon acebolado, entre outras 10 variedades ofertadas pela casa. O gerente Denis Souto de Jesus avalia que essa é uma tendência do mercado goianiense e que muitas casas já trabalham com esse tipo de cardápio. 
 
A tradição do Breguellas é justamente servir comida de boteco para os clientes, que há 20 anos aprovam o cardápio. As unidades variam de R$ 3 a R$ 5 e incluem frango frito, quibe, bolinho de arroz e disco. O proprietário, Samuel Santos, garante que foi o precursor das comidinhas de boteco servidas em formato de rodízio em Goiânia e afirma, com orgulho, que muitos bares famosos na cidade copiaram seu modelo. 
 
Outra opção que tem como um dos carros chefes o serviço de rodízio é o Botecco. A ideia surgiu em Recife. Depois de abrir filiais em Campina Grande, Brasília e Fortaleza, Goiânia foi escolhida para abrigar mais uma unidade. Com uma decoração típica e garçons vindos do Nordeste, a casa oferece empadinhas, coxinhas e bolinhos para os frequentadores. 
 
Preferência
A jornalista Marina Costa afirma que percebeu um aumento no número de bares que oferecem rodízios de petiscos. Para ela, até cinco anos atrás, poucos estabelecimentos tinham essa especialidade nos cardápios. Para Marina, a vantagem desse tipo de oferta é a variedade. "Embora a gente sempre vá ao bar a procura de uma cerveja gelada, sempre sentimos falta de um petisco. Gosto bastante daqueles que oferecem várias opções para você escolher, como os rodízios". Sobre suas predileções, a jornalista garante que gosta de tudo. "Acho que não tem nada que eu não goste. O rodízio é bom por isso, é muito dificil alguém não comer algum petisco oferecido".
 
O publicitário Vinicius Franco concorda com Marina e também vê um crescimento não só da oferta de rodízio de comida de boteco, mas de petiscos de uma forma geral. "Cresceu bastante o número de bares e restaurantes em Goiânia e quase todos que visito servem petiscos, seja em pratos únicos ou em rodízio. Bar combina com petisco", relata.
 
Vinicius conta ainda, que embora não escolha o bar pelo petisco oferecido, esse é um diferencial que ele leva em consideração. "Os fatores que determinam minha escolha é o ambiente do bar, a música e o público freqüentador. Mas sei reconhecer quando um bar oferece um petisco bom e não deixo de pedir".

Comente


Comentários



Publicidade

Publicidade