Pela 3ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Julgamento

Audiência do Caso Polyanna será aberta ao público

Pedido foi acatado pelo Ministério Público Audiência do Caso Polyanna será aberta ao público Publicitária Polyanna Arruda foi assassinada e violentada em 2009 (Foto: álbum de família)


Catherine Moraes

A audiência do Caso Polyanna que foi remarcada para o dia 10 de maio, na próxima quinta-feira (10/5), será aberta. O pedido foi de Tânia Borges, mãe vítima, que durante mais de dois anos fez com que Goiânia conhecesse o caso da publicitária que foi brutalmente assassinada em setembro de 2009. Ela fez o pedido judicial junto ao Ministério Público Estadual e foi atendida. 

Resistência
A última audiência do caso aconteceu em 18 de abril e o julgamento foi iniciamente restrito até mesmo aos pais da vítima. Apenas minutos antes da audiência, um oficial de Justiça informou ao casal, Tânia e Sérgio Borges, que ambos poderiam assistir aos depoimentos caso desejassem. 
 
Tânia foi a primeira das 22 testemunhas a serem ouvidas, mas a audiência foi cancelada porque o advogado de Assad Haidar de Castro não compareceu. Na ocasião, um defensor público foi chamado mas não conseguiu elaborar defesa e desistiu da causa. Uma defensora pública teria assumido a defesa de Assad, mas, após passar mal, foi afastada do caso.
 
“O juiz Wilton Müller queria que a audiência fosse fechada pelo cuidado do processo estar em segredo de justiça. Mas já publicaram tanta coisa, não há nada a esconder. Pedi que fosse aberta pela dificuldade que temos de transmitir, principalmente à imprensa que nos acompanha, tudo o que acontece”, completa Tânia. 
 
A mãe de Polyanna afirma que, por não dominar a parte técnica e estar repleta de nervosismo, é difícil repassar à imprensa tudo o que acontece lá dentro. “Tenho muito a agradecer pelo apoio que todos me deram ao longo desse tempo e acho que os jornais devem ter a oportunidade de estar lá, noticiarem o que, de fato, está sendo dito. Existia uma resistência por parte do Judiciário de expor Polyanna, mas o pedido foi meu”. 
 
"Não acredito mais em Justiça"
Sobre depor novamente, Tânia conta que ainda não sabe se será necessário. Ela diz que o Ministério Público cogitoou a hipótese de ela se pronunciar novamente, mas a informação ainda não foi confirmada. 
 
Questionada sobre a tensão de chegar ao momento tão esperado de encarar os suspeitos cara a cara, Tânia conta que é tenso assim como foi no mês passado. “Não acredito mais em Justiça, porque pra mim, nada é justo. Justo seria se eles pudessem me devolver minha filha, mas isso não vai acontecer. Quero apenas tirar esses bandidos da rua e não me arrependo de nada do que passei até aqui. Uns me dizem que me desgastei demais, mas tenho apenas uma certeza: nada foi em vão”, finaliza.
 
Denúncia 
Diango Gomes Ferreira, Leandro Garcez Cascalho, Marcelo Barros Carvalho e Assad Haidar de Castro foram denunciados pelo Ministério Público de Goiás (MP-GO), sendo Assad e Marcelo por latrocínio (roubo seguido de morte), ocultação de cadáver, estupro e formação de quadrilha, enquanto Diango e Leandro poderão ser condenados por roubo qualificado e formação de quadrilha.
 
O crime
Em um dia de rotina, Polyanna Arruda Borges saiu de casa às 7h30 para ministrar uma palestra a estudantes na 4ª Semana de Publicidade e Propaganda da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO), no Jardim Goiás. O grupo, formado por Assad, Marcelo, Lavonierri e Deberson estava em um Gol e avistaram o prisma de Polyanna. Ela foi abordada por Assad que estava em porte de uma arma e anunciou o assalto. A publicitária foi obrigada a entrar na parte traseira do carro. 
 
Ela foi levada para para o Residencial Humaitá, às margens do Córrego  Caveirinha, na Região Norte de Goiânia onde foi violentada, agredida e assassinada. Como a vítima teria atingido Lavonierri com uma pancada, fato sustentado pelo MPGO, Assad reagiu, começou a atirar e atingiu Polyanna com oito tiros. Neste instante, os quatro deixaram o local do crime levando os veículos.
 
Em seguida, ligaram para Diango e contaram sobre o assassinato. O receptador teria determinado que o carro fosse abandonado, já que estaria “sujo”. Os integrantes fugiram em um Clio prata. O Prisma foi encontrado na mesma manhã, parcialmente queimado, na Rua Xavante, no Residencial Caraíbas, por policiais militares acionados por moradores da região. Dentro dele estavam a bolsa com todos os documentos e pertences da publicitária e um notebook.
 
Por volta de 18h30 do dia 24 de setembro de 2009, um homem encontrou Polyanna morta e nua, sob um barranco às margens do Córrego Caveirinha. De acordo com a denúncia, para atender a encomenda feita, o grupo roubou um outro prisma preto no mesmo dia, de propriedade da empresa Pirassununga.

Leia mais:
Julgamento é adiado para os dias 9 e 10 de maio
Começa julgamento do caso Polyanna
 

 
 
 


Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:

Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
(62) 9956-7336