Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Sobre o Colunista

Pablo Kossa
Pablo Kossa

Jornalista, produtor cultural e mestre em Comunicação pela UFG / pablokossa@bol.com.br

O Blog

Campeonato salvo aos 48 do segundo tempo

Final entra para a história do Atlético-GO | 15.04.14 - 11:29

O Campeonato Goiano estava terminando da forma como começou: deprimente. Um modorrento zero a zero, placar igual do primeiro jogo da decisão, ia sepultando um torneio sem brilho, no qual a mediocridade e a falta de público foram os grandes destaques em todas as rodadas. Mas o acaso estava ali para mostrar sua cara e transformar um Goianão esquecível em algo memorável.

O último cruzamento do jogo e bola na cabeça do jogador atleticano que parou no fundo da rede esmeraldina mudou tudo. O gol de Lino deu dimensão histórica e épica àquele Goiás x Atlético. Não tenho dúvidas de que os rubro-negros se lembrarão desse jogo por vários e vários anos. A carga dramática estava ali presente. Essa partida será sempre especial para a torcida do Dragão.

A campanha infinitamente superior do adversário ao longo do torneio dava o favoritismo ao Goiás. Contudo, a finalíssima não estava sendo justa para com o que o time campineiro produzia em campo. Gol legítimo anulado, bola na trave, pênalti defendido pelo goleiro Márcio e o gol redentor quando a torcida verde, em ampla e inconteste maioria, já gritava “tricampeão”. Todos elementos de um épico estão presentes. Essa partida entra para a história do Atlético assim como a virada de 5x3 do Vila Nova em cima do Goiás é parte dos grandes feitos do time colorado.

E, na boa, é por esses casos de surpresa que o futebol é o esporte apaixonante que é. A regularidade de uma equipe ao longo do torneio pode ter sido em vão por conta de um escanteio bem batido na cabeça de um zagueiro. O acaso pode agir em algo que era considerado certo – no caso, o troféu de 2014 ir para a Serrinha.

O imponderável dar as caras está dentre as possibilidades de um jogo e, por isso, mesmo sabendo que seu time é mais fraco você ainda assiste o jogo. É por isso que mesmo sabendo que seu time é mais forte você fica com aquele friozinho na barriga até o momento em que o juiz apita o final da partida em decisões. Tudo pode acontecer durante os 90 minutos de bola rolando. A boa, velha e batida caixinha de surpresas.

Guardadas as devidas proporções, Lino agora é o Rondinelli (que, veja você, coincidentemente encerrou sua carreira jogando pelo Goiânia e, logo após, no Goiás em 1983) do Atlético Goianiense.

Parabéns ao Dragão pelo título!


Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:

Sobre o Colunista

Pablo Kossa
Pablo Kossa

Jornalista, produtor cultural e mestre em Comunicação pela UFG / pablokossa@bol.com.br

Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351