Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Sobre o Colunista

Pablo Kossa
Pablo Kossa

Jornalista, produtor cultural e mestre em Comunicação pela UFG / pablokossa@bol.com.br

O Blog

Para onde vai a direita brasileira?

Não sei qual ódio falará mais alto | 22.08.14 - 11:41

Demorei alguns dias pensando no cenário apontado pela pesquisa Datafolha divulgada no início dessa semana. A competitividade eleitoral de Marina Silva não pode ser considerada uma surpresa, já que isso era apontado anteriormente, antes de ser confirmada sua posição de vice na chapa encabeçada por Eduardo Campos.

Mas, naquele momento, estávamos longe das eleições e o cenário era meramente especulativo. O que é bem diferente do que vivemos agora, a pouco mais de 40 dias do primeiro turno. Uma disputa de segundo turno entre Marina e Dilma Rousseff é absolutamente factível e tal hipótese não pode ser desprezada.

Sei que ainda é cedo para cravar isso e que acabamos de dar início às campanhas de rádio e televisão. Ainda há muita lenha para queimar. Marina pode desidratar. Aécio Neves pode se beneficiar com isso e ir para a disputa contra Dilma no segundo turno fortalecido. Contudo, insisto, seria leviano deixar de considerar Marina em uma disputa mano a mano com a presidenta que pleiteia a reeleição.

Caso esse cenário realmente aconteça, uma pergunta não para de fermentar em minha cabeça: qual caminho seguirá a direita brasileira? Confesso que não sei responder. Talvez você possa me ajudar a clarear as ideias.

O que falará mais alto: o ódio ao PT ou o preconceito à cabocla amazônica, evangélica e defensora do meio ambiente? A vontade de tirar o partido da estrela vermelha de Brasília ou o medo de eleger uma pessoa vista com muita reserva por setores relevantes do PIB brasileiro, como o agronegócio, por exemplo? Respostas, por favor, nos comentários.

Acredito que pelo conservadorismo histórico, Dilma tende a levar vantagem. Quando a direita colocar na balança se é pior a desgraça já conhecida ou a desgraça que não se sabe como agirá, chuto que a primeira opção será preponderante. Deixando bem claro que para essa parcela da sociedade brasileira, as duas hipóteses se caracterizam como desgraça. E deixando mais claro ainda que isso não passa de exercício fajuto de futurologia de minha parte.

Será engraçado ver como esse eleitorado irá justificar seu posicionamento em um cenário como o que descrevi acima.

Por isso que a aposta para garantir a presença de Aécio no segundo turno será cada vez mais alta. E, quando há risco de ficar de fora da disputa final (no caso tucano) ou de perder o poder (no caso petista), a corrida eleitoral costuma ficar para lá de agressiva. Não se surpreenda com golpes abaixo da cintura. Eles certamente irão ocorrer.

Pode anotar: será uma campanha proibida para menores de 18 anos.


Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:
  • 25.08.2014 22:11 Carolina

    Infelizmente o PT quer isto mesmo, que o Brasil se divida entre nós e eles. Não sou de esquerda, não sou de direita, sou brasileira, assalariada. Precisamos da alternância de poder, caminho natural de democracias consolidadas. O único projeto do PT é se eternizar no poder. Humberto citou apenas um pouco do que este partido tem feito. Aécio ou Marina são as alternativas para os 12 anos de desfaçatez.

  • 25.08.2014 13:24 Cristiano Pires

    Parabéns ao Humberto. Não há mais o que acrescentar. Pelo bem o Brasil o PT tem que sair.

  • 25.08.2014 09:57 Renato Naves

    Depois do que o Humberto falou, precisa dizer mais??? A questão não é ser de direita ou esquerda, ou mesmo preferir uma esquerda conhecida a uma esquerda obscura, o problema são os absurdos realizados pelo PT. leiam o que o Humberto citou abaixo, não há mais o que dizer.

  • 24.08.2014 17:32 humberto

    Alguns motivos para não votar no PT: Aparelhamento do Estado, o aumento da carga tributária, a estagnação econômica, a desindustrialização, o autoritarismo escancarado, as tentativas de cerceamento à liberdade de expressão, a corrupção generalizada, a criação de mais 13 estatais (como pode???), os investimentos em Cuba, Nicarágua, Bolívia, Equador, o perdão de dívidas de países africanos, a política econômica protecionista, o fechamento do Brasil para o mundo, as alianças com ditadores, as alianças com países caloteiros e fracassados, a ligação com o crime organizado, a ligação com grupos terroristas, a ligação com narcotraficantes, o desmantelamento da estrutura de saúde pública, o sucateamento da educação pública, o descaso com a segurança pública, nada de reformas, nem tributária, nem trabalhista, nem política, nem previdenciária, a criação de 50 milhões de dependentes do Estado. Aumento da dívida pública de 600 bilhões para 3 trilhões de reais. Descontrole dos gastos públicos. Contabilidade enganosa para fechar as contas. Congelamento de preços (alá anos 80). Sucateamneto da infraestrutura rodoviaria e portuaria. Quebrou a Petrobras. Quebrou a Eletrobras. Descumpriu contratos do setor elétrico. Afastou investidores. Contratou mais de 30 mil companheiros para cargos comissionados só em Brasília. Demonizou os médicos brasileiros. Comprou mais de 5000 veículos de comunicação em todo o Brasil. Fez listas negras de jornalistas para serem alvejados pela militância. Subverteu a lógica da República comprando deputados no maior escândalo de corrupção da história do país. Tentou calar o ministério público. A cúpula do partido está na cadeia. Corruptos são tratados como heróis. Criaram 39 ministérios que ninguém sabe para que servem. A lista é interminável.

  • 24.08.2014 12:22 Rodrigo

    Pablo, vc chama o Psdb de direita?

  • 23.08.2014 11:55 Adnaldo Lemes Malta

    Se Marina ganhar, e pode ganhar porque quem elege é o povo, e o povo pensante quer mudança. Simplesmente ela vai acabar com as negociatas com o congresso, e priorizar a população ou continua da mesma forma. Eu penso que ela vai acabar com as negociatas, até porque ela disse que se eleita, só fica 4 anos. O que deveria ser lei, só 4 anos.

  • 23.08.2014 03:38 Néviton César Leão

    Perfeito análise Pablo Kossa bem coerente. Mais um erro que todos nós fazemos seja pessoas normal fora da área de jornalismo e todos vocês com respeito da área de jornalismo. A direita em nosso pais já não existe faz tempo ela foi extinta em 1990. Com o fim do Regime Militar! Dai para frente o que vem o correndo e Partido que está no poder ou fora de quatro em quatro anos seja na esfera de eleição Estadual ou da eleição Federativa global, os partidos sem proposta, sem lideres unindo por unir para continuar as malandragem. Hoje existe sim me apoia que darei para seu partido ministério tal, secretaria tal etc. Ela vai para o lugar que mais o mesmo com os empresários que já estabelece acordo para os eleitos defender seu lobe.

  • 22.08.2014 18:54 Giscar Paiva

    Você está equivocado sobre a Marina. Ela continua esquerda-conservadora apenas sociologicamente. Economicamente hoje em dia ela é da direita-neoliberal. Basta ver que é apoiada e aconselhada por Maria Alice Setúbal (Itaú), Guilherme Leal (Natura) e o economista Eduardo Giannetti. E para quem é de direita mais conta a economia que a sociologia.

  • 22.08.2014 14:25 Epaminondas

    Um elefante alado albino se considera num dia de sorte quando se depara com um caçador de direita (piada dupla se considerar o porte de arma). É meio pedestre considerar alguém de direita só porque não comprou a biografia nova, reestilizada e relativizada que o PT mandou fabricar depois de 12 anos de poder. Não precisa ser conservador, liberal ou reacionário para ver que aquilo ali não tem nenhum projeto – exceto a permanecer segurando a bolsa comunal. E nem precisa ser inteligente para ver que o que Marina anda cravando em pesquisas, é fruto da comoção provocada pela tragédia que se abateu sobre Campos. Dilma e Aécio não sofreram perdas de votos, apenas os que não ligavam ainda para eleição se deixaram levar. Comoções cedem e Marina não anda conseguindo manter sequer sua coligação coesa. Um segundo turno entre Dilma e Marina? Tão provável quando um entre Aécio e Marina. Isto dirime as dúvidas da direita? Só se você for tolo em considerar o Aécio de direita. Não existem políticos de direita no Brasil. No máximo, algumas caricaturas. Ninguém quer ser considerado conservador ou que anda na companhia de um. Até o Sarney há de se assumir progressista a esta altura. Voto no Aécio não é uma preferência pelo conservadorismo. É uma opção ao PT. Uma vez eleito, Aécio herda os mesmos problemas que a Dilma tão desastrosamente não resolveu. Porque basicamente, acha impopular os preceitos de direita. Se Aécio os aborda, quero ver até aonde as pessoas segurarão as pontas se assumindo de direita. Aécio assumirá uma máquina aonde preceitos de direita são uma nódua histórica. Ele terá pouca margem de manobra. Meu voto é dele e meu apoio posterior dependerá se seu pulso for firme para tanto.

  • 22.08.2014 13:59 André Lima

    Também acho que o Brasil não está dividido entre esquerda e direita. Partidos de esquerda se aliam com políticos de direita e vice e versa. Quando ao cenário proposto, acredito que a rejeição petista falará mais alto e no segundo turno PSB e PSDB se unirão. Baseio meu argumento na estratégia eleitoral do Aécio. Até agora ele não contrapôs a Marina e sua Rede, seu foco até agora é propagando positiva do seu governo e marketing negativo do governo Lula-Dilma.

  • 22.08.2014 12:51 @Pacok79

    Não existe direita ou esquerda no Brasil hoje, o Lula mesmo em sua primeira eleição, teve como vice presidente ACM, para assim assegurar aos "direitas" e empresários a condição de crescimento criada por FHC. A Marina entra no segundo turno como voto de protesto contra o atual governo, mas na hora de definir, ninguém colocará. Perder o que tem conquistado nestes 12 anos de poder "vermelho" mas, que de concepções esquerdistas se perdeu a tempos, mostrando ser mais direita que os partidos com esta definição!

Sobre o Colunista

Pablo Kossa
Pablo Kossa

Jornalista, produtor cultural e mestre em Comunicação pela UFG / pablokossa@bol.com.br

Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351