Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Sobre o Colunista

Leticia Borges
Leticia Borges

Leticia Borges é especialista em Língua Portuguesa, jornalista, professora e palestrante. / leticia.textos@gmail.com

Língua e letra

Como usar o particípio

Verbos abundantes geram dúvidas | 16.09.14 - 17:17
Goiânia - O particípio é uma das formas nominais do verbo. Cheia de particularidades, por sinal.

O particípio passado é aquele com terminação “ado” e “ido” que usamos em várias situações comunicacionais. Comprado, corrido etc.  Normalmente é usado para indicar ação concluída ou formar tempos compostos.

Discute-se sobre a existência ou não do particípio presente.

O particípio presente seria aquele em que o verbo adotaria as terminações “ante”, “ente” e “inte” (amante, vivente, seguinte), que teriam hoje apenas funções de substantivo e adjetivo. A maioria dos gramáticos defende que essas construções não são particípios, e sim um adjetivos formados de verbo mais o sufixo “nte”.

O nosso usual particípio passado também faz papel de adjetivo, como em:
- Ele chegou em casa molhado.
- Os sapatos estavam jogados na sala.
 
O particípio passado integra, com os verbos auxiliares ser/estar e ter/haver,  as formas verbais compostas. Nem todos os verbos são abundantes (verbos que têm particípios regular e irregular), mas quando isso ocorre, há distinção nas formas compostas.


 
Com os verbos ser e estar usa-se o particípio irregular:
- Eu sou aceito pelo grupo.
- O serviço está incluso.
- O cachorro foi solto.
 
Com os verbos ter e haver usa-se o particípio regular:
- Eu havia aceitado o grupo.
- Ele tinha incluído o serviço.
- O vizinho havia soltado o cachorro.
 
É bom lembrar que nem todos os verbos possuem as duas formas, e que muitos particípios ditos e escritos por aí não existem. O certo é:
- Eu havia chegado mais cedo (e não chego).
- Ela teria trazido o dinheiro se soubesse (e não trago).
- Eu mesma teria escrito o livro (e não escrevido).

Na próxima coluna vamos estar falando sobre o gerúndio, o gerundismo e o modismo que envolve as formas verbais.

Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:
  • 23.09.2014 10:38 Wesley Trigueiro

    Obrigado.

  • 21.09.2014 17:33 Leticia Borges

    Olá, Wesley. Exatamente, com o verbo pegar, que tem particípio abundante, a regra prevalece.

  • 18.09.2014 11:55 Bianca

    o final foi ótimo kkk

  • 16.09.2014 19:16 Wesley Rodrigues Trigueiro

    Essa regra também vale para o verbo pegar? Ex: o bandido foi pego ontem pela manhã; Minha filha tem pegado resfriado constantemente.

Sobre o Colunista

Leticia Borges
Leticia Borges

Leticia Borges é especialista em Língua Portuguesa, jornalista, professora e palestrante. / leticia.textos@gmail.com

Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351
Ver todas