Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Sobre o Colunista

Pablo Kossa
Pablo Kossa

Jornalista, produtor cultural e mestre em Comunicação pela UFG / pablokossa@bol.com.br

O Blog

Sou do tempo em que se brincava na rua

Diversão de minha infância é coisa do passado | 17.09.14 - 14:00 Sou do tempo em que se brincava na rua (Foto: reprodução/agenciaplaneta.com.br)

Esses dias li um texto que falava sobre o hábito agora em extinção: crianças brincando na rua. Ainda podemos ver essa prática em bairros periféricos de Goiânia ou nas cidades do interior. Mas não é mais majoritário. Uma pena. Tenho dó das crianças criadas com tablet na mão e assistindo campeonato europeu de futebol na televisão.
 
Sou velho e já posso usar a expressão “no meu tempo” ou “sou da época” sem maiores dilemas. Quando moleque, o pessoal se juntava para jogar golzinho na rua com tijolo marcando a trave e parando a bola para o carro passar. De noite, as mães saíam na rua gritando cada um pelo nome para tomar banho e jantar.
 
Não raro, alguém era colocado para dentro de casa a chineladas ou puxado pela orelha. Eram tempos anteriores à Lei da Palmada. Ninguém se assustava com isso. Ainda mais quando o cara estava com nota baixa no boletim ou tinha aprontado alguma em casa.
 
Os pais de hoje só deixarão seus filhos brincarem na rua se forem imprudentes ou gostarem das grandes emoções. Na idade de minha filha mais velha, eu já pegava ônibus sozinho para ir ao Flamboyant e passava por baixo da catraca para economizar o dinheiro da passagem com o cobrador fazendo cara feia. Andava o Centro de Goiânia inteiro olhando os sebos. Pergunte se eu deixo a primogênita fazer o mesmo? É elementar que sou um pai bundão. Ou prudente. Depende do referencial.
 
Andávamos o bairro inteiro procurando pipa que havia sido torada nas guerrinhas. Pique esconde era em cima das árvores da rua. Na adolescência, varávamos as madrugadas dos finais de semana na porta de casa conversando fiado e esperando as garotas mais velhas chegarem da balada – só para ver os amassos finais dentro dos carros que viravam o assunto da semana.
 
Sei que é nostalgia pura e que a diversão da molecada hoje é ficar no smartphone falando com os amigos o mesmo tanto de bobagem que falávamos presencialmente. O problema é que perder a rua não foi algo positivo. A crescente da violência urbana nos fez abdicar de um espaço de amadurecimento e aprendizado real. O tal dos muros e as grandes que nos protegem do nosso próprio mal, tal qual diz Humberto Gessinger.
 
Você acha que a gente aprendia sobre sexo na escola com aula de educação sexual? Que nada! Os mais velhos é que contavam para os mais novos como as coisas aconteciam. Tudo errado e cheio de mitos, é claro. De forma mais humana, menos timbre Discovery.
 
Como vivi por 30 anos no mesmo bairro, observei isso de perto. Os locais onde antes eram cheios de crianças e jovens, hoje são mais ermos que arquibancada em jogo do Goiânia.
 
A proliferação dos condomínios fechados é a prova cabal de que a rua foi perdida de vez por nossa incompetência enquanto sociedade. Vivemos trancados, criando nossos filhos como zumbis em frente ao celular, tablet, computador e televisão enquanto está um lindo dia de sol lá fora.
 
Seguindo essa toada, tenho até medo de pensar como serão criados nossos netos...

Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:
  • 19.09.2014 18:22 Flavinha

    É... tô velha ! Também sou desse tempo. Velhos bons tempos.Em época de férias então, minha casa era a rua.

  • 18.09.2014 13:27 Mairinha

    Aproveitei muito minha infância brincando na rua no Novo Horizonte. Mas não podia passar das 22h na rua.Ótimos tempos.

  • 17.09.2014 18:52 FERNANDA SIMMONDS

    Este texto me levou totalmente ao passado, onde a vida era mt mais bela e divertida. Presenciei td isto e morro de saudade. Como tbm morro de pena daqueles que nunca saberão tamanha magia. Bons tempos eram aqueles!

  • 17.09.2014 15:17 Jr

    ...sde

  • 17.09.2014 14:43 Wesley Trigueiro

    Falou e disse Pablo. Bons tempos em que se brincava de golzinho na rua.

Sobre o Colunista

Pablo Kossa
Pablo Kossa

Jornalista, produtor cultural e mestre em Comunicação pela UFG / pablokossa@bol.com.br

Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351