Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Sobre o Colunista

Leticia Borges
Leticia Borges

Leticia Borges é especialista em Língua Portuguesa, jornalista, professora e palestrante. / leticia.textos@gmail.com

Língua e letra

Gerúndio e gerundismo

O que é certo e o que é vício de linguagem | 22.09.14 - 14:39 Gerúndio e gerundismo portuguesdecente.wordpress.comO gerúndio é uma das formas nominais do verbo, e a que mais tem dado o que falar nos últimos anos. Isso porque os verbos terminados em “ndo” (cantando, fazendo, dormindo) extrapolaram suas funções gramaticais adequadas e passaram a ser usados onde não deveriam ser.

Comecemos pelo que não está bem. A maioria de nós já buscou atendimento em algum call center  e ouviu doçuras como “vou estar transferindo sua ligação”, “vamos estar enviando a solicitação” ou “a empresa vai estar mandando um funcionário da manutenção”, por exemplo.

O correto seria “vou transferir sua ligação”, “vamos enviar a solicitação” e “a empresa vai mandar um funcionário da manutenção”. Isso porque o gerúndio só é usado em tempos compostos (com verbo auxiliar), para indicar uma ação contínua, que estará, está ou esteve em andamento. Fica difícil imaginar que a atendente passará a tarde toda transferindo a ligação, por exemplo. Mas ela passará a tarde toda trabalhando, esse sim um gerúndio bem empregado.

E de onde veio esse gerundismo? Acredita-se que dos manuais de treinamento de call centers, instituídos pelas multinacionais e mal traduzidos para o português. Isso porque, em inglês, existe o futuro contínuo, que indica uma ação que estará completa no futuro, mas que deve ser substituída pelo infinitivo ao traduzir-se para o português.

Ex. I will be travelling around the world next year.
Traduzindo ao pé da letra (ou com ajuda do google tradutor) teríamos “Eu estarei viajando ao redor do mundo no próximo ano”. Mas o que se quis dizer foi “Eu vou viajar ao redor do mundo no próximo ano”.

Como as novidades são contagiantes, o gerundismo foi passando de boca em boca e agora faz parte do vocabulário de muitas pessoas, fato já satirizado em vários programas de TV.  O personagem Carlito, que foi  interpretado por Anderson de Rizzi na novela Amor à vida, da Rede Globo, é um bom exemplo. Nas comédias sempre há alguém que se expressa  assim.

O fato é que o gerúndio só é usado nos tempos compostos para expressar ação contínua ou progressão indefinida:
Ex.: Eu estava jantando quando você chegou.
Eu vou estar viajando no dia da sua festa.

Ou sozinho, com função de advérbio, indicando modo, causa, tempo etc.

Ex.: Chorando, o menino resolveu ir para casa.(modo)
Não restando opção, efetuou-se a prisão do suspeito. (causa)

Existem na internet vários vídeos sobre o assunto e campanhas pelo fim do mau uso do verbo, mas mesmo assim o efeito cascata do gerundismo continua firme e forte.

Embora seja inadequado, o gerundismo – ou qualquer outro equívoco gramático -  não deve ser motivo de intolerâncias e grosserias, como eu já vi por aí. Todos temos a aprender e a ensinar, mas a arrogância não combina com a sabedoria.

Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:
  • 23.09.2014 18:01 Leticia Borges

    Sim, Percival, rs. A convivência e o hábito nos fazem cair nas armadilhas das manias linguísticas mesmo. Difícil resistir, mas sempre bom evitar. Obrigada por acompanhar a coluna.

  • 23.09.2014 14:50 Percival Henrique da Silva

    E pior de tudo Letícia que essa praga pega, porque se você conviver com uma pessoa como esse vício, logo, logo estará compactuando a mesma linguagem. Eu sou um exemplo disso, a minha patroa em um escrítório de contabilidade tinha essa mania e eu por estar, sempre ao lado, dela comecei a usar, mas perebi logo e passei a corrigi-la e conseguimos deixar esse vício.

Sobre o Colunista

Leticia Borges
Leticia Borges

Leticia Borges é especialista em Língua Portuguesa, jornalista, professora e palestrante. / leticia.textos@gmail.com

Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351
Ver todas