Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Sobre o Colunista

Rodrigo  Hirose
Rodrigo Hirose

Jornalista com especialização em Comunicação e Multimídia / rodrigohirose@gmail.com

Conectado

A literatura tem lugar na vida contemporânea?

Precisamos encontrar o equilíbrio | 14.01.15 - 14:37 A literatura tem lugar na vida contemporânea? (Foto: Divulgação/Amazon)
Goiânia - Responda sinceramente: atualmente você lê tanto quanto lia há alguns meses ou anos? 
 
Se o critério for apenas o número de palavras, é bem provável que todos nós estejamos lendo cada vez mais. Mudemos, então, a pergunta: o que você anda lendo?
 
A miríade de fontes de informação disponível na internet, somada às mais diferentes redes sociais existentes, praticamente nos obriga a exercitar a leitura a todo o tempo. A cada hora, cai na rede o equivalente a 28 milhões de DVDs e a conta sobe exponencialmente à medida que novas tecnologias tornem o acesso mais rápido e mais gente fique conectada. A título de comparação, quando Gutemberg criou a tipografia, em 1455, a impressão de 200 cópias da Bíblia (o primeiro livro impresso no modelo que conhecemos hoje) consumiu um ano e meio. Um verdadeiro milagre para a época.
 
É inegável que estamos mais informados, o que não significa, necessariamente, que temos mais conhecimento.
 
Pensava nisso tudo há alguns dias e fiquei ainda mais instigado após um post publicado no Facebook pela jornalista e escritora Cássia Fernandes, autora de colunas deliciosas aqui mesmo no jornal A Redação
 
No texto postado, o autor toca em uma questão crucial: o excesso de informações tem nos roubado a capacidade de imersão em textos que exigem dedicação.
 
A leitura rápida, fragmentada e telegráfica da internet cria um leitor também ávido, apressado, sequioso. Habituado aos 140 caracteres, ao meme e às imagens, o ciberleitor enfrenta dificuldade para concentrar-se por horas em textos mais densos da literatura.
 
O medo de ficar por fora (do inglês Fear of missing out), fenômeno da sociedade hiperconectada, é incompatível com a inventividade linguística de um Guimarães Rosa, com a intensidade psicológica de um Dostoiévski, ou com a sensibilidade quase bucólica de um Manoel de Barros.
 
Se, por um lado, a internet nos abre as portas do mundo, por outro nos impede o acesso aos porões da alma. 
 
Precisamos, urgentemente, encontrar o equilíbrio.
 

Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:
  • 02.02.2015 17:12 Miriã Lira

    Excelente reflexão, Hirose! Também me faço os mesmos questionamentos quanto às gerações futuras. Espero que ainda salvem alguns leitores assíduos dos grandes clássicos da literatura brasileira e mundial.

Sobre o Colunista

Rodrigo  Hirose
Rodrigo Hirose

Jornalista com especialização em Comunicação e Multimídia / rodrigohirose@gmail.com

Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351