Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Sobre o Colunista

Leticia Borges
Leticia Borges

Leticia Borges é especialista em Língua Portuguesa, jornalista, professora e palestrante. / leticia.textos@gmail.com

Língua e letra

Bons "negósios"

O que não falta é anúncio com erro | 04.02.15 - 17:05 Bons "negósios" .
Goiânia - O professor Aurélio Damião, da Paraíba, conseguiu comprar um celular com chip por R$ 1 por causa de um cartaz confuso afixado na loja. A intenção dele era “dar uma lição” no responsável pela propaganda mal feita. O cartaz, que anunciava “Chip a R$1 com aparelho” fez o gerente ter prejuízo e quase perder o emprego.

O autor do anúncio, obviamente, só queria dizer que se o cliente comprasse o celular na loja poderia adquirir o chip por um real. Mas não foi isso que ele expressou.

Esse não foi o único caso de anúncio desastrado que causou prejuízo. Placas, cartazes e propagandas de rádio e TV com utilização errada ou dúbia do vernáculo são comumente encontrados por aí.

Em 2001, as Casas Bahia se viram em uma encrenca quando lançaram o slogan “Quer pagar quanto?” De um lado, vários clientes que chegavam aos caixas querendo pagar cinco ou dez reais por uma TV ou geladeira. Do outro lado, funcionárias constrangidas e humilhadas ostentando broches com os dizeres. Uma delas ganhou uma ação por danos morais e recebeu indenização, por ter suportado piadas de teor sexual durante as promoções da loja.

Além de casos assim mais graves, que envolvem a justiça, existem os erros, digamos, inofensivos. Mas que não deixam de impactar e incomodar. Alguns são engraçados, outros de mau gosto. E agora, com os sites de anúncios gratuitos na internet, deixaram de ser exclusividade dos lojistas para encher nossos olhos a cada clique.

No OLX, por exemplo, as pessoas andam se desapegando de coisas como rak, guardaroupas, frízer, apartamento mobilhado, som compreto e vários outros produtos descritos sem o menor cuidado com a língua.

No Bom Negócio também existem várias pérolas, mas para que analisar os anúncios, se a própria propaganda do site já é um prato cheio?

“A cada um minuto quatro coisas vendem” é uma obra-prima dos maus tratos à língua portuguesa.

Primeiramente, a redundância: minuto só pode ser um. “A cada minuto”, assim como em “a cada hora”, e “a cada dia”, onde a inserção no numeral tornaria a oração estranha.

Agora o resto da frase: Quatro coisas vendem. Quatro coisas vendem o quê? Porque, dessa forma, “quatro coisas” é o sujeito do verbo vender, que necessita de um objeto.

Se as quatro coisas são vendidas, o correto seria “quatro coisas vendem-se”, onde o “se” é justamente a partícula apassivadora, que forma a voz passiva sintética.

Mas acredito que os erros não atrapalhem os negócios, porque eu, por exemplo, enquanto lia os anúncios por pura curiosidade acadêmica, acabei fazendo três compras. 

Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:

Sobre o Colunista

Leticia Borges
Leticia Borges

Leticia Borges é especialista em Língua Portuguesa, jornalista, professora e palestrante. / leticia.textos@gmail.com

Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351
Ver todas