Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Sobre o Colunista

Carol  Piva
Carol Piva

Carol Piva é doutoranda em Arte e Cultura Visual na UFG e uma das editoras-fundadoras do jornal literário "O Equador das Coisas". Servidora do TRT de Goiás, tradutora e ficcionista. / carolbpiva@gmail.com

Brasil Central, patrimônio da gente

Bariani Ortencio e os espaços de memória no Brasil Central

| 10.01.16 - 16:19
 
Ao Wolney Unes e à Alice Martins, com quem aprendo muito sobre as tantas dobras e desdobras de possibilidades e(m) sentidos
 
 
Goiânia - “Como todo discurso”, diz José Horta Nunes, “o dicionário tem uma história, ele constrói e atualiza uma memória, reproduz e desloca sentidos”. 
 
A isso poderíamos acrescentar: os dicionários nos mantêm em fio(s) de conexão e pertencimento com aquilo de familiar que vivenciamos e que não está ali simplesmente para ser “consultado”, mas — talvez essencialmente — para ser (re)(entre)aberto algum dia, qualquer dia, hoje, ontem, sempre. Espaços de discursos, contradiscursos, de partilhas...
 
São, em toada-qual, possíveis (re)encontros com a cultura, aquela nossa “totalidade complexa” a que Jean-Pierre Warnier vincula a imagem da bússola — “que indica um norte” e nos possibilita “acionar referências, esquemas de ação e comunicação”, remetendo às formas organizar as famílias e os mais variados grupos; às concepções ligadas ao corpo, à saúde, à doença; aos modos de fazer, escolher e recusar, de estar e pertencer, dizer e silenciar na vida.
 
Essa ideia de “cultura-bússola” que necessita estar distante da prevalência besta de um tipo de “capital cultural” sobre outro(s), aquela concepção de dicionário para bem-além de suas etimologias e o meu reencontro-hoje com uma das bonitas obras-para-toda-uma-vida de Bariani Ortencio — eis o que me faz amanhecer domingo e mais domingos em querença de revisitar tais dobras e desdobras do Brasil Central (não apenas perscrutadas como, aqui-no-caso), experimentadas durante mais de quarenta anos pelo autor, escritor e folclorista, conhecedor e divulgador de um vasto repertório de expressões, maneiras de agir e interagir, de ouvir e registrar contando causo, curando-curandeirando, fazendo sabor e história das coisas nossas, do Brasil Central.  
 

Tive a honra de participar da equipe que, após dois anos de extensa pesquisa e prosa direta com Bariani, trouxe a público a 2ª edição do Dicionário do Brasil Central (ICBC, 2009). E que edição!, pois-fico sempre em tentações de redizer — ampliada em cerca de 6 mil definições, atenta às nuanças todas dos mais de 9 mil verbetes, com projeto gráfico de “não deixar a farinha por menos”, de tão refinado e alinhado com a concepção essencial da obra, de-com o agrado e a participação bonita do autor. 
 
Integradas a esta reedição do Dicionário do Brasil Central e com ela também articuladas graficamente, a 3ª edição da Medicina Popular do Centro-Oeste e a 8ª da Cozinha Goiana compuseram, como a gente bem sabe, a trilogia que foi premiada como uma das oito vencedoras do 28º Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, promovido pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), em 2015. 
 

É coisa, sim, de dar gosto-além...
 
E no que venho pensando de há algum tempo... Isso de a gente ter a possibilidade de, vontadeando, esbarrar de novo em conceitos, reabrir expressões, perpetrar imaginaturas infinitas sobre aquilo que pulsa ou pulsou algum dia e que merece ser borbotado de reminiscências, não quedando silêncios nem esquecimentos sobre os falares das gentes, as nossas complexidades, até os desencontros e desvios, nossas formas de sentir, nomear, produzir e contraproduzir...
 
Nossos espaços de memória, de coletividades...! Que precisam sempre ser repensados a partir de... de... de quem-mesmo? Pois-ora: de quem simplesmente experimenta, segue na peleja de produzir, de ver e enredar com e sobre, na peleja de existir.
 
É esta, por exemplo, a deliciúra mais interessante que bem-agora me re(conecta) à ideia das dobras (de Deleuze e Guattari), ainda que de passagem. Uma ideia, aliás, que se esparrama em linhas provisórias, por investigar a perder de vista, mas com força de fazer querer e pertencer. Coisa de significar e interpretar, como talvez mesmo em toada-toda de dicionário, mas, para além, em cadência de experimentar, ir cozinhando em fogo brando, levando adiante com argúcia de vivedor-cultivador a exemplo do que foi fazendo Bariani ao longo da vida... 
 
E então assim a gente vai criando novas dobras — eis a bem-mais esperança. Dobras em desdobramentos, afinal, das formas miríades de olhar, com que ver e ser visto no entrelugar de uma vasta-vasta-vasta-cultura, como a que temos e que está ainda aqui, conosco, e a gente em fluidez infinita de se tornar... e explorar... e ficar de abrir caminhos para olhares e sempre olhares... Ah, o nosso Brasil Central!


 

 
 

Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:
  • 05.03.2016 15:25 Helena Frenzel

    O que mais me alegra nesta coluna é que eu não conhecia a maior parte das coisas que estão sendo "rebulidas" aqui. Falares, riqueza de um povo! Carol, muito grata por essa oportunidade que você está nos dando de descobrir os tesouros literários e artísticos do Brasil Central. Valeu!

  • 11.01.2016 10:03 Carol Piva

    Assaz-assim, Germano: estes falares-frestas, coisas bem de-dentro e pr'além de, sabe?, que a gente vai ouvindo, vasculhando, conhecendo... ah, eis o que de mais em mais existe pra irmos abrindo miragens em vida! Ainda que seja um pouco como aquele "lutar no ar", como diz o Freitas Filho (Armando). Obrigada sempre pela leitura carinhosa e atenta e essencial, querido escritor! E sigamos! Tim-tim!

  • 10.01.2016 18:51 Germano Xavier

    Boto fé-inteira nessas bonitezas da gema-solo de nossas almas, Carolina!

Sobre o Colunista

Carol  Piva
Carol Piva

Carol Piva é doutoranda em Arte e Cultura Visual na UFG e uma das editoras-fundadoras do jornal literário "O Equador das Coisas". Servidora do TRT de Goiás, tradutora e ficcionista. / carolbpiva@gmail.com

Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351