Polícia Civil  13.12.2011 12h21
Presa quadrilha especializada em roubo de carros

André Daher liderava grupo


Michelle Rabelo

A Polícia Civil apresentou, nesta terça-feira (13/12), três membros da quadrilha de André Daher, 22 anos, preso no último dia oito e considerado o maior ladrão de carros do Estado de Goiás. Marcos Vinícius Nogueira, Raphael Cândido e Gustavo Henrique, todos com 20 anos, tinham relação direta com André e haviam sido soltos há 60 dias, depois de assaltar policiais militares levando quatro pistolas .40, no dia 24 de março deste ano.  Pedro Henrique Vieira, 19 anos, se juntou ao grupo logo após a prisão de Daher. Os quatro foram presos na noite de domingo (11/12) na casa de Marcos, no Jardim Petrópolis, em Goiânia. 

No dia 28 de novembro houve uma ocorrência de furto referente a um veículo Chevrolet Captiva. A vítima ajudou na produção do retrato falado e reconheceu Marcos Vinícius através de fotos, tiradas em março, quando ele foi preso. Apartir daí, a residência do acusado, no Jardim Petrópolis, começou a ser monitorada. Cinco carros que estavam no local tinham queixas de roubo registradas, por isso os policiais invadiram a casa e encontraram os quatro suspeitos que faziam um churrasco. Os proprietários dos carros (Gol vermelho, Punto preto, Polo prata, Vectra preto e Captiva preto) já fizeram o reconhecimento dos veículos.

De acordo com Lúcio Flávio Bernardes, delegado adjunto da Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos Automotores (DERFRVA), Pedro Henrique, que tem menos de 1,60 m de altura é considerado o mais violento do bando e ficou conhecido entre os policiais como Pinscher, raça de cachorro famosa por seu pequeno porte e gênio arisco. O grupo foi preso em flagrante por roubo de veículos, mas investigações mostraram que a quadrilha assaltava residências e agredia as vítimas.

"Diziam que queriam matar"
A quadrilha tem a característica de agir usando violência física e psicológica. Uma vítima, que não quis se identificar, contou que os acusados invadiram sua casa, pediram que ela tirasse a roupa, ficasse de quatro e lambesse o chão. “Eles jogaram água no meu corpo e ficavam riscando fósforos dizendo que iriam colocar fogo em mim”, afirmou.

O encarregado de eletricista Alysson Diniz, 34 anos, é o proprietário do Gol vermelho e conta que estava chegando em casa, no Jardim Europa, quando foi abordado pelos quatro rapazes. “Me mandaram abrir o portão e invadiram minha casa. Bateram em mim e nos meus pais. Ameaçaram cortar nossos pescoços com uma faca e uma régua. Diziam que queriam matar. Jogavam perfume nas coisas, colocam fogo e sopravam como um jato. Mandaram minhas inquilinas tirarem a roupa e passaram a mão nelas”, explicou.

Várias vítimas contam que a quadrilha ficava nas residências por horas, consumindo substâncias entorpecentes, álcool e comida. Com os acusados foram encontrados ainda dois revólveres, sendo um calibre 32 e outro calibre 38, uma porção de maconha, R$1.800 reais em dinheiro, etiquetas para adulteração de placas dos veículos, computadores, celulares e vários objetos das vítimas.

Investigações
A Polícia Civil está trabalhando nos inquéritos com a  ajuda da Delegacia de Investigação Criminal (DEIC), do 11º Distrito Policial na Vila Regina e das delegacias que registraram as queixas de roubos. As acusações de abusos sexuais e a indentidade de quem falsificava documentos e chasis dos carros serão investigadas.

Os quatro responderão, até o momento, por roubo qualificado e porte ilegal de arma. A mãe de Marcos e quatro adolescentes que estavam no local foram ouvidas e liberadas. Marcos, Gustavo e Raphael já têm passagens por roubo. Pedro Henruique é réu primário. Eles serão ouvidos ainda hoje e serão levados para Casa de Prisão Provisória (CPP). Daher já está lá desde o dia oito de dezembro.

 

Comente


Comentários



Publicidade

Publicidade