Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351

Saúde

Reação do corpo à alimentos deve ser acompanhada

Alergia afeta 5% dos brasileiros | 17.03.16 - 11:15
A Redação

Goiânia -
Coceira, tosse, náusea. Esses são alguns dos sintomas que podem ser desencadeados por uma reação alérgica, problema que afeta 5% da população Brasileira. Entre os alimentos com maior potencial de alergenicidade, ou seja, que leva a maiores números de casos, estão o leite de vaca, amendoim e crustáceos. Mas como saber se o que eu tenho é uma alergia, hipersensibilidade ou uma intolerância alimentar? O endocrinologista Sérgio Vencio, que integra o corpo clínico do laboratório Atalaia, explica as duas situações.  
 
As alergias alimentares são problemas causados pela reação do sistema imunológico a um alimento, levando a sintomas angustiantes e muitas vezes graves. “O potencial de alergenicidade depende, em grande parte, da constituição do alimento, mas também de fatores genéticos e imunológicos da própria pessoa ou da exposição prévia (ou falta dela) ao agente alergênico”, esclarece o endocrinologista.
 
De acordo com o médico, assim como existem várias possíveis causas, os sintomas também variam desde irritações na pele (coceira, urticária, inchaço), no sistema respiratório (tosse, chiado no peito) até gastrointestinal (náusea, vômito e diarreia). “Os casos mais graves (anafilaxia) podem ser fatais, necessitando de cuidados médicos imediatos com injeção de adrenalina e eventual internação hospitalar de urgência. Esses sintomas podem incluir inchaço dos lábios, língua ou face, constrição na garganta, dificuldades respiratórias e pulso rápido (taquicardia)”, afirma o médico.
 
Intolerância
Muitas pessoas confundem a alergia com a intolerância alimentar, porém, segundo Sérgio, são duas situações diferentes. “A intolerância alimentar não é tão clara e a causa pode levar algum tempo para ser diagnosticada. Apesar de não ser uma ameaça à vida, ela faz o doente se sentir extremamente mal e pode ter um grande impacto na vida profissional e social”, descreve.
 
De acordo com o médico a intolerância alimentar pode ser causada por diversos fatores. “Algumas pessoas não possuem as enzimas necessárias para digerir os alimentos. Por exemplo, na intolerância à lactose, a 'lactase' não é produzida em quantidades suficientes para quebrar a lactose (açúcar de leite). Outras reagem aos produtos químicos que são produzidos naturalmente nos alimentos, tais como cafeína, salicilatos e histamina, presentes em alimentos como morangos, chocolate e queijo curado. Outra causa de intolerância alimentar é a presença de aditivos nos alimentos, tais como os sulfitos, que são adicionados aos alimentos processados para dar-lhes uma vida útil mais longa”, exemplifica.
 
Embora seja uma condição que acomete grande parte da população, tanto a alergia alimentar quanto a intolerância não têm cura e a recomendação para evitar as reações é retirar o alimento da dieta. “Por isso é importante diagnosticá-las de forma correta, para que possam ser controladas. Isso porque a alergia alimentar pode induzir ao choque anafilático e morte, porém a intolerância é mais frequente e acarreta perda importante da qualidade de vida”, afirma Sérgio.
 
O paciente que deseja saber se tem alergia a determinado alimento deve procurar um médico para realizar o diagnóstico clínico e se submeter a alguns exames. “Exames chamados testes cutâneos ou até exame de sangue de IgE específica podem confirmar este tipo de alergia, quando elas se correlacionam com sintomas clínicos. No caso da intolerância o diagnóstico é mais difícil. O teste mais comum e com validação científica é o teste de intolerância à lactose. É importante também manter um diário anotando as reações aos diversos tipos de alimentos”, conclui o médico. (Com informações da assessoria)

Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:
Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351