Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Anapaula de Castro Meirelles

Bambam, BBB e blá-blá-blá

A futilidade da TV aberta | 16.01.13 - 00:01 A TV aberta tem me dado mil motivos pra mantê-la desligada. Poucos canais na TV brasileira têm um conteúdo respeitado. A TV Brasil, com o Programa Observatório de Imprensa, é um deles.

Bibi Ferreira, baluarte da cultura brasileira, brilhante aos seus 90 anos e ainda cantando nos palcos de São Paulo, Rio a Nova York, disse recentemente que trabalha não só por prazer, mas porque precisa para sobreviver.
 
Na mesma plataforma comunicativa em que ela contou isso, a TV, a telinha mágica, concessão pública de exploração privada que começa a nos seduzir ao consumismo e erotização já na infância, hoje nos dá três motivos concomitantes ao lamento: "A Fazenda", "Mulheres Ricas" e mais um "BBB" em exibição. É a era da ficção travestida de realidade, uma nova versão daqueles programas que mostravam a natureza selvagem, predadores devorando presas, só que com humanos.

A receita é tão simples quanto banal: reúnem-se grupos de pessoas ávidas por fama a qualquer custo diante de câmeras ligadas, estimula-se que tramem sordidamente umas contra as outras e fornece-se bebida alcoólica à vontade para diminuir o já frágil senso crítico dos participantes e estimular momentos de libido.
 
Para Pedro Bial, jornalista que espertamente percebeu que a TV não é simpática à realidade e levou seus conhecimentos comunicacionais ao show, diz que seus "brothers" são "heróis", palavra que vem do grego e significa "figura arquetípica que reúne em si os atributos necessários para superar de forma excepcional um determinado problema de dimensão épica". E eis que o desertor do jornalismo se vê no direito de subverter parâmetros de heroísmo ou de modelo a ser seguido.
 
Se você leitor acha que os brothers são heróis, reveja seus conceitos. Lembre-se dos bombeiros que salvam vidas, dos professores que trabalham pela educação ou de trabalhadores que acordam de madrugada, pegam duas a três conduções para chegar ao trabalho, receber salário mínimo, e alimentar e manter uma família inteira. Isso é Reality Show, isso sim é ser herói.
 
Bibi Ferreira, sim, é uma heroína da cultura em um país de folhetins. Outros tantos anônimos, à margem da mídia, que se dedicam a superar problemas pelo bem comum (seja na arte, na educação, no meio ambiente, etc) também são. Os "brothers" e o egocentrismo da fama efêmera são a antítese disso.
 
É inacreditável que em pleno século 21, onde a humanidade encontra-se no auge da Tecnologia e Informação, tenhamos tantos semelhantes que ainda se curvem ao velho espetáculo romano, na filosofia do "pão e circo". Começo a atestar que possuímos, de fato, os governantes que merecemos.
 
Nada contra quem aprecie a já repetitiva fórmula do reality show como uma estranha opção de diversão (antigamente, se apreciavam shows de leões devorando gente...). Mas não vamos confundir Bibis com Bambans nem querer dar à jaula do Bial algo maior do que ela é: blá-blá-blá.
 
Anapaula de Castro Meirelles é publicitária.

Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:
  • 17.03.2013 11:18 marina de abreu s. potrich

    É isso ai garota! Adorei bj

  • 12.02.2013 22:39 Lucilius

    Ana que bom ler seus textos. Lembro bem das suas Redações que eram sempre elogiadas pela criteriosa Nilda do Pré-Médico. Continue assim: escrevendo.

  • 10.02.2013 21:48 André Luis

    Tratar esses malucos de BBB's como heróis????!!!! Temos que fechar para balanço, urgente!!!

  • 30.01.2013 09:29 Adriana Rezende

    Tanta coisa melhor para escrever... Sofrível Anapaula! Melhore muito para poder ficar bom... Boa sorte no próximo...

  • 28.01.2013 18:41 Carla Albuquerque

    Péssimo texto! Mal escrito e fraco... Não merece a publicação.

  • 23.01.2013 21:32 Denise

    Ana que ótimo texto. Parabéns!

  • 22.01.2013 13:49 Janaína Costa

    Que texto bom de ler. Não estou sozinha neste mundo.

  • 21.01.2013 07:36 Fabiano Valle

    Que bla bla bla ótimo! Minha empregada reclama muito da programação. Na telinha dos Marinho tiraram o desenho animado e colocaram o programa de Fátima Bernardes. A opção para as crianças ficaram ainda menores.

  • 20.01.2013 18:49 Suzana Alves

    Uma vergonha mesmo a TV Aberta. Se os nossos heróis tivessem acesso a um conteúdo mais informativo e um entretenimento de verdadade, certamente teriam uma visão mais crítica e um nível de exigência mais alto. Mania de gente achar que o povo brasileiro gosta de lixo. O que eles precisam é de oportunidade. Ana Paula não sou sua amiga e posso falar sem medo: Um ótimo texto e com uma excelente aordagem. O público alvo destes programas é a família brasileira que adora o lixo porque não tem opção. Parabéns.

  • 20.01.2013 10:28 Carla de Souza Nardini

    Esee BBB e outros programas citados no texto são o que há de pior na TV Brasileira. Um ótimo texto e que serve para pensar que é melhor ficar com a TV aberta desligada do que recebermos de presente uma programação sem conteúdo. O tipo de entretenimento dito gratuito que é recebido não vale as consequências desta desinformação. Um ótimo texto. Parabéns!

  • 19.01.2013 21:05 Jose Humberto

    Que eu ganhe o suficiente pra pagar pela Tv fechada. A família brasileira está mal servida mesmo.

  • 19.01.2013 06:49 Fernanda Machado

    A família brasileira merece uma programação melhor. Na programação programas de "entretenimento" sob suspeita e os programas educativos em horários de baixa audiência. Um aspecto muito bem abordado e que nos faz refletir sobre a Tv brasileira dita "gratuita ".

  • 18.01.2013 21:26 JoséLuiz

    Eu não sou seu amigo e gostei muito do texto.

  • 18.01.2013 18:01 Carlos Augusto Camara

    Anapaula, Infelizmente seu artigo é fraco e pouco inteligente! Precisamos ler algo mais interessante. Por favor, melhore para poder receber elogios de quem não é seu amigo! Boa sorte! (Se não houver censura, lerei este comentário no site)

  • 18.01.2013 15:58 Luiza

    Muito bom mesmo. Parabéns!

« Anterior 1 2 Próxima »
Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351