Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Anapaula de Castro Meirelles

Vamos ao Congresso?

É preciso estudar a reforma política | 04.07.13 - 15:16
 
Goiânia - No caos virtual, cabe tudo. E confusão é o que não falta sobre o Brasil dos que acordaram e dos que nunca dormiram (e espero merecer estar no segundo grupo). Plebiscito e referendo estão tão claros quanto as PECs e os pactos e agora chegarão novos termos para os “memes”: financiamento público, misto ou privado; votação distrital ou proporcional; coligações ou não-coligações etc...
 
Já se diz que não estamos preparados para votar sobre tais temas. Ora, mas então se foi às ruas para quê? Para fazer barulho apenas? Democracia não funciona com acomodados que esperam tudo cair de cima. Pelo contrário, exige aprendizagem e participação. Mais que isso: exige respeito pela controvérsia, coisa que pouco se encontra nas redes sociais e menos ainda na velha mídia manipuladora.
 
Entre a idéia inicial do plebiscito e o oportunismo dos “do contra” do referendo, fico com o primeiro. Porque, ao contrário do que se diz, não é um cheque assinado em branco, é mais que isso: é a possibilidade de (se as perguntas forem bem feitas) o povo orientar o valor do cheque, para que os gastos sejam na medida do interesse público. Referendo é ir a um restaurante esperar vir “qualquer coisa” à mesa, decidindo depois se paga a conta ou se tudo volta para a cozinha.
 
O que mais preocupa, entretanto, não é isso. É este Congresso, que engavetou por décadas a reforma política e, agora, está em suas mãos fazê-la. Sim, houve pressão das ruas, houve iniciativa da Presidência sugerindo os temas a serem levantados, mas os parlamentares farão mudanças que atingirão a eles próprios, ceifando muitos dos seus interesses? Receio que não.
 
Seria uma oportunidade histórica a idéia inicial de Dilma, de uma constituinte exclusiva, massacrada pela velha mídia, pelos homens de toga e pelo próprio vice-presidente (que pertence ao partido que negocia com todos os governos da história do Brasil para dar apoio em troca de boquinhas no poder). Seriam novos representantes escolhendo novos caminhos políticos. A idéia realmente poderia mudar o tabuleiro viciado da política, tanto que durou apenas 24 horas.
 
E voltamos às mãos do velho Congresso, de que somos corresponsáveis, afinal os elegemos. Hora de os protestos das ruas rumarem para o Parlamento, onde as sessões em geral não são assistidas por ninguém. Antes, porém, que tal fazer a lição de casa e estudar os temas da reforma política? Detalhe imprescindível: estudar é aprofundar, levantar argumentos a favor e contra, ir a várias fontes e não se deixar manipular por postagenzinhas medíocres. Afinal, não pedimos mais educação?
 
Anapaula de Castro Meirelles é publicitária.

Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:
  • 07.07.2013 12:32 Ana Paula Xavier

    Você foi certeira Xará. Vamos sair e rumar ao Congresso.

  • 06.07.2013 07:55 José Renato

    Vamos, mas será que esses jovens querem ir? Me parecem que precisam estudar e muito.

  • 05.07.2013 19:27 Josué Martins

    Esses jovens estão muito superficiais.Se perguntarem sobre Reforma política tenho certeza que muito poucos saberão dizer.

  • 04.07.2013 23:37 Sheila Neves

    Tu é foda. Escreve muito. Concordo e assino embaixo.

  • 04.07.2013 16:59 Raniel Nascimento

    Concordo em gênero, número e grau. O C. Nacional JAMAIS vai querer dar um tiro no pé. Somente uma Constituinte nova, com deputados constituintes eleitos especificamente para tanto, é que poderemos sonhar com uma reforma política decente. De resto, esqueçamos tudo. As manifestações não amedrotaram parlamentares. Os mesmos não estão por aí usando dinheiro público, andando de avião da FAB sem qualquer pudor? Tudo como dantes na terra de abrantes.

Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351