Pela 5ª vez o mais influente da web em Goiás. Confira nossos prêmios.

Sobre o Colunista

Mônica Parreira
Mônica Parreira

É jornalista graduada pela PUC Goiás / monica.parreira@aredacao.com.br

Histórias das Olimpíadas

2008: Jogos de Pequim

Phelps bate recorde histórico e surge Bolt | 05.08.16 - 07:55 2008: Jogos de Pequim (FOTO: COI/RICHARD JUILLIART) 
Goiânia - Quando o Comitê Olímpico Internacional (COI) confirmou que Pequim seria sede das Olimpíadas de 2008, a China se mobilizou para proporcionar um belo espetáculo ao mundo. Investiu na infraestrutura com direito a obras de encher os olhos, como o estádio Ninho de Pássaro e o Cubo D’Água. Também se tornou o ambiente perfeito para a quebra de 132 recordes olímpicos.
 
Muito além do esforço para exibir estrutura de alto nível, o governo chinês concentrou suas atenções nos atletas durante anos. A meta era incentivar a prática esportiva e colocar a China entre os melhores países da competição. O resultado final foi satisfatório, já que o anfitrião liderou o quadro de medalhas, deixando para trás os Estados Unidos, tido como grande potência do esporte.

 
Com slogan “Um mundo, um sonho”, os Jogos foram realizados de 8 a 24 de agosto, reunindo quase 12 mil atletas de 204 nacionalidades diferentes. A tocha olímpica rodou os continentes durante cinco meses e passou pelas mãos de quase 22 mil pessoas. Acredita-se que somente a transmissão da abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim tenha alcançado cerca de 1,2 bilhão em todo o mundo.
 
Destaques e curiosidades
Em Atenas 2004, Michael Phelps surgiu como grande potência da natação. Quatro anos mais tarde, o norte-americano tornou a ganhar destaque em todos os noticiários esportivos ao subir oito vezes ao lugar mais alto do pódio, em Pequim. Foi assim que o nadador se tornou o maior campeão olímpico que já existiu.


(Foto: COI)
 
Phelps não brilhou sozinho. No atletismo, surgia o simpático e até então desconhecido Usain Bolt. O velocista jamaicano mostrou ao mundo seu talento e faturou três ouros, dois com direito a quebra de recordes mundiais (100m e 200m).
 
O Brasil também teve seus momentos de glória em Pequim. César Cielo conquistou ouro nos 50 m livre e bronze nos 100 m livre. Maurren Maggi também rendeu ouro ao Brasil, no salto em distância. No esporte coletivo, as meninas do vôlei feminino derrotaram os Estados Unidos e foram campeãs. A delegação encerrou sua participação em 23º lugar no quadro geral de medalhas, com três de ouro, quatro de prata e oito de bronze. 

Comentários

Clique aqui para comentar
Nome: E-mail: Mensagem:

Sobre o Colunista

Mônica Parreira
Mônica Parreira

É jornalista graduada pela PUC Goiás / monica.parreira@aredacao.com.br

Envie sua sugestão de pauta, foto e vídeo
62 9.9850 - 6351
Ver todas